Tamanho do texto

Negócio envolve nove concessões rodoviárias de 3.227 km no Sul e no Sudeste, dentre elas Fernão Dias e Regis Bittencourt

selo

A espanhola OHL anunciou na terça-feira acordo de venda das subsidiárias brasileira e chilena para a conterrânea Abertis. O negócio envolve nove concessões rodoviárias no Brasil (dentre elas Fernão Dias, Regis Bittencourt, Litoral Sul, Planalto Sul e Fluminense), num total de 3.227 km, e três trechos no Chile, de 342 km de extensão. Segundo um comunicado, a Abertis vai incorporar as duas empresas da América do Sul e passivos da ordem de 530 milhões de euros.

Repercussão: Venda de concessões no Brasil e Chile dá "fôlego" à OHL, diz presidente

A operação chilena será independente e vai envolver pagamento em dinheiro de 200 milhões de euros. Na unidade brasileira, o negócio será feito com a Partícipes en Brasil, proprietária de 60% da OHL Brasil (o restante está nas mãos de acionistas como Credit Suisse Hedging Griffo e Kendall Develops S/A). Por essa operação, a holding OHL terá 10% de participação acionária na Abertis.

O negócio, no entanto, ainda depende de “diversos requisitos e trâmites habituais nesse tipo de processos”, além de aprovação pelos conselhos de administração da OHL e da Abertis. No Brasil, a transferência das concessões para outro investidor passará pelo crivo da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e demais órgãos responsáveis.

Em fato relevante, o diretor de Relações com Investidores da OHL, Alessandro Scotoni Levy, diz que a empresa no Brasil continuará como companhia aberta e manterá todos os planos de investimentos previstos nos contratos de concessão. O grupo espanhol ganhou visibilidade no País em 2007, quando arrematou cinco lotes de rodovias federais. Entre elas, a Régis Bittencourt e a Fernão Dias, as mais cobiçadas pelos investidores. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .