Tamanho do texto

Tablets vão manter mercado de computadores em níveis fracos enquanto setor busca inovação

As vendas globais de computadores pessoais vão atingir 368 milhões de unidades em 2012, segundo a consultoria Gartner, que inclui nessa categoria os desktops, notebooks, netbooks e ultrabooks. O índice representaria um crescimento de 4,4% em relação a 2011. A empresa de pesquisas estima que o maior salto acontecerá no fim de 2013, quando a projeção é de que o segmento supere o volume de 400 milhões de unidades.

“As vendas de PCs vão permanecer fracas em 2012, enquanto o mercado de computadores pessoais ainda busca alcançar o novo nível de inovação que os consumidores querem ver nos dispositivos que eles compram”, afirma Ranjit Atwal, diretor de pesquisas do Gartner. Para o executivo, a grande questão é se o Windows 8 ou os ultrabooks conseguirão criar uma oferta que faça com que os consumidores voltem realmente a se interessar por esses dispositivos.

A estimativa dos analistas é de que os ultrabooks passem a atrair maior atenção no segundo semestre, na medida em que os fabricantes começam a olhar esse dispositivo como uma alternativa para revigorar os PCs móveis. “No entanto, esses computadores terão mais concorrência na medida em que estão sendo lançados novos tablets baseados em sistemas operacionais do Google e da Microsoft, assim como o novo iPad”, observa Atwal.

Em outra frente, a adoção crescente de serviços pessoais de computação em nuvem – conceito pelo qual os arquivos e programas são acessados via internet – vai trazer outros desafios para os PCs em relação à necessidade de diferenciar esses equipamentos de outros dispositivos, como por exemplo, os tablets. Para o analista, a criação de conteúdo exclusivo para PCs pode não ser suficiente para atrair o interesse do consumidor.

Por outro lado, o estudo observa que os mercados emergentes são a chave para impulsionar o crescimento mundial das vendas de PCs, tanto em curto como em longo prazo. A expectativa é de que os países em desenvolvimento respondam pela maior parte da expansão global da categoria em 2012 e 2013, com um salto de participação de 50% das vendas em 2011 para cerca de 70% em 2016. “Os mercados emergentes têm uma penetração muito baixa de PCs e mesmo com a disponibilidade de outros dispositivos, nós ainda esperamos uma absorção significativa e constante de PCs nesses países”, diz o analista.

(Moacir Drska | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.