Tamanho do texto

Operários vão ter aumento de 8,3%, reajuste do vale-alimentação e abono de R$ 300 a ser pago em dezembro

selo

Empregados da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) decidiram hoje aceitar a proposta da empresa e voltar definitivamente ao trabalho. Os funcionários da Mina Casa de Pedra, em Congonhas, na região central de Minas Gerais, que haviam entrado em greve no fim de semana passado, suspenderam o movimento já na noite de quinta-feira e hoje oficializaram a decisão em assembleias com os trabalhadores realizadas em todos os turnos.

Os funcionários pediam reajuste salarial de 15%, além de outros benefícios, mas concordaram em aceitar uma contraproposta da empresa. Pelo acordo, os trabalhadores vão ter aumento de 8,3%, reajuste do vale-alimentação e abono de R$ 300 a ser pago em dezembro. Também foi acertado que não haverá punição para os grevistas, que terão 90 dias de estabilidade, e não haverá desconto dos dias parados, que serão compensados com banco de horas já acumulado ou com horas extras nos próximos dois meses.

A CSN já havia apresentado pelo menos três propostas anteriores, mas elas haviam sido rejeitadas pelo sindicato Metabase Inconfidentes. A greve, segundo os trabalhadores, havia reduzido em cerca de 70% a produção da Mina Casa de Pedra, que é de 60 mil toneladas diárias de minério de ferro. A empresa, porém, afirma que a produção em nenhum momento chegou a ser afetada pelo movimento. Até o fim da tarde de hoje, a CSN não havia se pronunciado sobre o acordo, sob a alegação de que a decisão precisava ser oficializada pelos funcionários.

Leia mais sobre a CSN:

- CSN quer produzir 84 milhões de toneladas de minério de ferro
- CSN finaliza compra de ativos de aço e cimento na Europa
- Nippon Steel critica estratégia de compras da CSN

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.