Tamanho do texto

Indústria alimentícia foi beneficiada pelo aumento da demanda da população, explica o Assuntos Estratégicos da Fiesp, André Rebelo

selo

O setor de alimentos foi o recordista em termos de criação de vagas na indústria paulista no mês de maio, de acordo com dados divulgados hoje pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). No mês passado, o setor criou 8.419 vagas, bem acima do segundo setor que mais gerou vagas, o de veículos automotores, reboques e carrocerias, com 2.308 vagas.

De acordo com o assessor de Assuntos Estratégicos da Fiesp, André Rebelo, a indústria alimentícia foi beneficiada pelo aumento da demanda da população. Tanto é verdade que, de acordo com ele, foram criadas vagas na indústria de açúcar, suco de laranja, frigoríficos e, de forma generalizada, entre diversas indústrias do setor.

"A indústria alimentícia teve no segundo semestre de 2010 uma fase muito ruim para o emprego. Com o aumento do preço dos alimentos, a demanda caiu, a produção também e o emprego não cresceu. Agora que os preços dos alimentos estão recuando, a demanda aumentou, a produção também e os empregos acompanharam essa tendência", afirmou o assessor.

Outro setor com destaque positivo no mês de maio foi o automobilístico, puxado, de acordo com Rebelo, pela GM, que recentemente abriu um turno adicional em sua fábrica em São Caetano do Sul, no ABC. A indústria automobilística puxou também o desempenho do setor de produtos de borracha e de material plástico, que foi o terceiro setor que mais gerou empregos no mês de maio, totalizando 1.695 vagas.

As usinas de álcool também tiveram uma contratação residual no mês passado, com 1.180 vagas criadas pelo setor de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis. De acordo com Rebelo, trata-se de uma contratação residual, já que a safra de cana teve início em abril.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.