Tamanho do texto

Memorando prevê parcerias entre as empresas nas áreas de exploração e produção de petróleo, refino, petroquímica e fertilizantes

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, afirmou nesta quinta-feira que a estatal assinou um memorando de entendimentos com a Sinopec, a segunda maior empresa de petróleo da China, e o China Development Bank (CDB), banco de fomento do país asiático. O acordo prevê análise de interesses em comum nas áreas de exploração e produção de petróleo, refino, petroquímica e fertilizantes.

Na área de exploração, as empresas vão analisar a viabilidade de a Petrobras vender para os chineses uma parte de sua participação nos blocos BM-PAMA-3 e BM-PAMA-8, localizados em águas profundas da Bacia do Pará-Maranhão. "Essas áreas ainda precisam de uma análise mais aprofundada", disse Gabrielli.

O memorando prevê a possibilidade de a Petrobras ampliar o suprimento de matéria-prima para os chineses. Hoje, a estatal brasileira fornece à Sinopec 200 mil barris diários de óleo cru.

Nas áreas petroquímica e de fertilizantes, o acordo abriu a possibilidade de a Sinopec se tornar parceira do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Não há ainda definição sobre valores ou sobre como ocorreria essa participação dos chineses no complexo.

A Petrobras e a Sinopec já firmaram outras parcerias no passado. A companhia chinesa entrou nas obras do Gasoduto da Integração Sudeste-Nordeste (Gasene) em 2006.

O CDB, por sua vez, também já tem contrato em andamento com a estatal brasileira. Em meados de 2009, o banco de fomento chinês acertou uma linha de financiamento de US$ 10 bilhões para a Petrobras. Desse montante, entre US$ 7 bilhões e US$ 7,5 bilhões já foram sacados pela empresa.