Tamanho do texto

Empresa brasileira contesta números divulgados recentemente pela sócia

A Petrobras informou hoje em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que não confirma as informações divulgadas pela espanhola Repsol sobre dados e investimentos em concessões nas quais são sócias no Brasil. Petrobras se referiu especificamente aos projetos conjuntos para explorar as reservas Guará e Carioca, assim como o campo de Piracucá, todas em águas profundas em frente ao litoral brasileiro e cujas concessões pertencem a consórcios integrados pelas duas empresas, mas dos quais a Petrobras é a operadora.

A companhia petrolífera esclareceu em seu comunicado que, "como operadora desses blocos e do campo, não confirma os dados de operações e de investimento" que foram divulgados pela Repsol. "Quanto à previsão de as áreas da Carioca e Guará possuírem reservas de até 3 bilhões de barris de petróleo, trata-se de uma avaliação realizada por uma consultoria independente contratada exclusivamente pela Repsol", segundo o comunicado.

De acordo com o anúncio feito na semana passada pelo presidente da Repsol, Antonio Brufau, a empresa espanhola tem direito a 25% dessas reservas e já dimensionadas graças a sua participação no consórcio operado pela Petrobras. No consórcio que explora o bloco BMS-09, no qual foram descobertos os campos de Guará e Carioca, a Petrobras tem 45%, BG mais 30% e Repsol outros 25%. A empresa brasileira acrescentou que a informação sobre a dimensão das reservas em tais blocos não foi divulgada nem pela Petrobras, nem pelo consórcio que tem a concessão sobre as áreas.

"Sobre o valor do investimento, a Petrobras informa que não faz parte de sua política de divulgação oferecer cálculos de investimento por projeto de prospecção e produção, e não confirma os valores divulgados pela Repsol", acrescenta o comunicado. Repsol informou na quinta-feira passada, ao divulgar aumento de 30% de seus resultados trimestrais, que pretende investir entre US$ 4 bilhões e US$ 5 bilhões até 2014 em seus projetos para extrair petróleo cru no Brasil, e entre US$ 6 bilhões e US$ 9 bilhões a partir de 2014.

A empresa esclareceu que seu plano de investimentos prevê o desenvolvimento dos campos Guará e Piracucá (Brasil) até 2014. Petrobras informou que já iniciou as gestões necessárias para que sejam realizados os "ajustes nos procedimentos de divulgação de anúncios públicos referentes ao consórcio do bloco BMS-09 (Guará e Carioca) e do campo Piracucá" para que se atendam às exigências do contrato de operações conjuntas. Repsol anunciou em novembro que estuda incorporar acionistas "minoritários" aos projetos no Brasil e que já encarregou vários bancos de investimento que analisem a melhor forma de fazê-lo. Uma das possibilidades seria tirar a bolsa parte de Repsol Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.