Tamanho do texto

"A meta é crescer", frisou o presidente da empresa, Miguel Rosseto; estatal prevê investir US$ 1,9 bilhão no segmento até 2014

O presidente da Petrobras Biocombustíveis, Miguel Rosseto, afirmou nesta segunda-feira que a empresa está empenhada em ampliar a produção de etanol.

Após participar do Ethanol Summit 2011, em São Paulo, o executivo comentou que o plano de negócios da companhia prevê US$ 1,9 bilhão em investimentos até 2014 . "E nós vamos continuar expandindo nossos investimentos para ampliarmos a produção de etanol. A meta é crescer", destacou sem, no entanto, revelar números.

Segundo Rosseto, neste momento a empresa está definindo qual será a magnitude da ampliação. A Petrobras Biocombustíveis conta hoje com 14 usinas de etanol e biodiesel e estuda ampliar seu leque de produtos.

"Estamos nos dedicando à escolha de rotas tecnológicas para a produção de bio QAV [querosene de aviação]", comentou Rosseto. "Cada vez mais a Petrobras quer se posicionar como uma empresa de energia." O presidente da Petrobras Biocombustíveis enfatizou a necessidade de se definir políticas públicas e uma legislação transparente para que o setor possa se desenvolver.

"Quando um combustível assume 50% da matriz energética de veículos leves, como é o caso do etanol, há uma enorme responsabilidade para a economia e para a sociedade. Por isso, exige novas regras", afirmou. Uma legislação clara, na avaliação de Rosseto, é fundamental para viabilizar o planejamento das companhias e o abastecimento a preços razoáveis. "É necessária uma melhor coordenação de investimentos públicos em biocombustíveis ", disse, complementando que 2011 será marcado por um marco regulatório de etanol e biodiesel.

Rosseto ainda descartou o risco de desabastecimento de combustíveis no país. Segundo o presidente da Petrobras Biocombustíveis, o Brasil tem capacidade de produção de álcool e gasolina e, se necessário, pode-se importar.

Leia outras notícias sobre o Ethanol Summit 2011:

- Financiamentos do BNDES para etanol podem chegar a R$ 35 bi até 2014
- Lobão: governo não está estudando alterar preço da gasolina
- Coutinho vê condições para produção de etanol dobrar