Tamanho do texto

A fabricante de cosméticos Natura pretende iniciar a produção em pelo menos um país da América Latina até o final de 2010 e intensificar esse movimento no próximo ano, segundo informações do relatório de administração que acompanha o balanço do segundo trimestre

selo

A fabricante de cosméticos Natura pretende iniciar a produção em pelo menos um país da América Latina até o final de 2010 e intensificar esse movimento no próximo ano, segundo informações do relatório de administração que acompanha o balanço do segundo trimestre. A empresa informou que o modelo a ser adotado será o de contratação de produtores locais, e não de manufatura própria. A empresa destacou que fará produtos ¿adaptados aos consumidores de cada região¿. ¿Estamos atuando de forma mais customizada em nossas operações na América Latina¿, diz o relatório. Entre as medidas a serem implementadas pela empresa na região está o modelo comercial Consultora Natura Orientada (CNO) à cultura de cada país, a partir de 2011 e 2012. De acordo com a companhia, a produção local terceirizada de parte do portfólio proporcionará ¿benefícios econômicos, com redução de custos, e ambientais, pela menor emissão de gases de efeito estufa no transporte¿. As principais operações internacionais da Natura atualmente são as atividades diretas na Argentina, Chile, Peru, México e Colômbia, além da atuação por meio de distribuidores na Bolívia e na América Central. Há também operações na França. A companhia tem 833 gerentes de relacionamento, que administram 178 mil consultoras. O lucro líquido no segundo trimestre das operações na Argentina, Chile e Peru (consideradas em consolidação) subiu 122,7% em comparação com o mesmo período de 2009, para R$ 2,2 milhões. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) avançou 45,7%, para R$ 5,4 milhões, enquanto a margem Ebitda aumentou 1,5 ponto porcentual. Já a receita líquida nas operações em consolidação avançou 18,5%, para R$ 64,9 milhões. Nas operações consideradas em implantação - no México e na Colômbia -, entre abril e junho, a empresa registrou um prejuízo de R$ 7,2 milhões, ante um prejuízo de R$ 15,2 milhões no mesmo período do ano passado. Nesses dois países, a receita líquida subiu 36% no período, para R$ 27 milhões. Lucro maior No total, a Natura registrou um lucro líquido consolidado de R$ 191,5 milhões no segundo trimestre, um crescimento de 13,8% ante o mesmo período do ano passado. O Ebitda atingiu R$ 331,8 milhões, com aumento de 32,2%. A margem Ebitda ficou em 25,9% ante 24,3% em 2009. A receita líquida apresentou expansão de 24,1%, totalizando R$ 1,283 bilhão. O lucro bruto do período ficou em R$ 883,6 milhões, registrando crescimento de 20,6%. No acumulado do primeiro semestre do ano, a Natura contabilizou lucro líquido de R$ 333,1 milhões, com evolução de 8,5% sobre o mesmo intervalo de 2009. A geração de caixa, medida pelo Ebitda, foi de R$ 575,3 milhões, com aumento de 31%. A margem Ebitda do semestre ficou em 25% ante 23,5%. A Natura também registrou um crescimento de 0,9 ponto porcentual, para 23,7%, na fatia de seu mercado alvo entre janeiro e fevereiro em relação aos dois primeiros meses do ano passado. Desse total, no mercado de cosméticos e fragrâncias, a alta foi de 1,4 ponto porcentual, chegando a 38,7%. Já no segmento de higiene pessoal o aumento foi de 0,6 ponto porcentual, para 12,7%. Os dados, divulgados pela empresa, foram apurados pela Euromonitor. O número de consultoras encerrou o segundo trimestre em 1,118 milhão, uma alta de 19,2% sobre o mesmo período de 2009. No Brasil, esse crescimento foi de 17,9%, para 941,9 mil. Na Argentina, no Chile e no Peru, o número subiu 22,5%, para 123,7 mil. No México e na Colômbia, cresceu 37%, para 52,1 mil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.