Tamanho do texto

Localizados em Curitiba e São Paulo, novos centros fazem parte do novo modelo logístico da empresa

selo

A Natura anunciou nesta quarta-feira a abertura de dois novos centros de distribuição (CD) em Curitiba (PR) e São Paulo em 2011. A empresa também programa a ampliação dos CDs de Mathias Barbosa (MG), Simões Filho (BA) e Jaboatão dos Guararapes (PE). Os investimentos e o total da ampliação da capacidade instalada não foram revelados.

Os planos fazem parte do novo modelo logístico de distribuição de produtos até as consultoras. A companhia de cosméticos e itens de perfumaria passará a atuar com dois novos hubs (centros de estocagem) no Brasil, que se juntam ao atual, em Jundiaí (SP). Um dos hubs será integrado ao CD de Salvador e o outro ficará em Castanhal (PA). "Estamos nos antecipando aos suportes de logística e distribuição visando os próximos dez anos de crescimento da empresa", disse João Paulo Ferreira, vice-presidente de operações e logística da Natura.

A empresa informou ainda quais serão os parceiros internacionais. Na Argentina, a produção terceirizada ficará por conta da Just, com a linha de perfumaria e produtos para o corpo, rosto e proteção solar. Na Colômbia, os parceiros serão a Hada, com sabonetes em barra, e a Prebel, que fará maquiagem, além de produtos para o corpo, proteção solar e perfumaria.

No México, o parceiro será a Fortalab, com as linhas de cabelos e perfumaria. "Mais que competência técnica, estamos trazendo parceiros alinhados com nossa proposta socioambiental", disse Ferreira.

Segundo ele, a expectativa é de que 50% do faturamento das operações internacionais na América Latina sejam provenientes de produtos fabricados fora do Brasil. Ferreira destacou ainda que a empresa ampliou este ano sua malha internacional, com o aumento da capacidade dos CDs da Argentina, do Chile, do Peru e da Colômbia. Já para o primeiro trimestre de 2011 está prevista a ampliação no México.

Ele ressaltou que a empresa não pretende ter produção própria no exterior. Segundo o executivo, o redesenho da rede poderá reduzir em 25% a emissão de CO2 na distribuição. Entre outras iniciativas a serem implementadas estão o rastreamento dos pedidos até as consumidoras e as novas tecnologias de separação de produtos (picking), que devem reduzir o ciclo de entrega dos produtos às consultoras e o tempo dos pedidos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.