Tamanho do texto

Fundo de Abu-Dhabi fica com participação acionária preferencial de 5,6% no grupo de Eike Batista

Eike durante a reunião de um grupo de empresários com Dilma sobre investimentos da indústria
AE
Eike durante a reunião de um grupo de empresários com Dilma sobre investimentos da indústria
A Mubadala, empresa de desenvolvimento e investimento estratégico de Abu-Dhabi, nos Emirados Árabes, vai investir US$ 2 bilhões (R$ 3,6 bilhões) no grupo EBX, do empresário Eike Batista .

O investimento de Abu-Dhabi, na primeira vez que o grupo de empresas de Batista convida um parceiro estratégico para investimento na holding, avalia o EBX como valendo US$ 35,5 bilhões (R$ 64,41 bilhões), informou o grupo brasileiro nesta segunda-feira.

Com o aporte inicial, o grupo de Abu Dhabi garantirá participação preferencial de 5,63% na EBX, incluindo fatias indiretas nas empresas OGX (petrolífera), OSX (construção naval), MMX (mineração), LLX (logística) e MPX (energia).

"Este acordo bem-estruturado marca nosso primeiro investimento significante em um dos mercados mundiais que mais crescem e é um passo importante no desenvolvimento de oportunidades estratégicas para a Mubdala no Brasil e na América Latina", disse o CEO e diretor de operações Khaldoon Khalifa al-Mubarak.

Reunião no Planalto: Eike é um dos empresários a discutir indústria nacional com Dilma

Além disso, a operação dá à Mubadala participação nas empresas de capital fechado AUX (mineração de ouro), REX (imóveis) e IMX (esportes e entretenimento). O grupo de Abu Dhabi, criado em 2002, atua em uma série de segmentos desde aeroespacial a infraestrutura e saúde, tendo investimentos em conglomerados como General Electric e Carlyle.

A injeção de recursos na EBX é "inicial" porque a parceria estratégica dos dois grupos cria "arcabouço e plataforma para colaboração adicional entre as duas organizações em áreas de interesse mútuo", segundo o grupo brasileiro.

Khaldoon Khalifa al-Mubarak é CEO do fundo de Abu-Dhabi que vai investir no Brasil por meio do grupo de Eike Batista
Getty Images
Khaldoon Khalifa al-Mubarak é CEO do fundo de Abu-Dhabi que vai investir no Brasil por meio do grupo de Eike Batista
O investimento da Mubadala, a primeira injeção direta e significativa de recursos do grupo de Abu-Dhabi no Brasil, ocorrerá via Centennial Asset Brazil Equity Fund, veículo de investimento de Batista.

Magnatas: Brasil bate recorde e tem 36 bilionários na lista da revista Forbes

Antes da parceria estratégica com a Mubadala, palavra em árabe para "troca", as empresas de Batista acertaram acordos de investimentos com outros grupos internacionais, como a sul-coreana SK Networks e a chinesa Wuhan Iron and Steel.

"Os recursos provenientes do investimento da Mubadala serão usados para reforçar a já sólida estrutura de capital do grupo, além de suportar o desenvolvimento de novos negócios", afirmou a EBX em comunicado ao mercado.

Às 11h25, as ações das empresas de Batista, cujo grupo quer investir US$ 50 bilhões no Brasil nos próximos 10 anos, apresentavam alta, com exceção da OGX, que recuava 1,5%.

* Com Associated Press e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.