Tamanho do texto

Reestruturação e custos maiores pesam no resultado

selo

A Smithfield Foods, principal produtora de carne suína dos Estados Unidos, anunciou que o lucro do terceiro trimestre fiscal diminuiu 61% devido às despesas com reestruturação, aos custos maiores de produção e ao crescimento abaixo do esperado das vendas.

No trimestre encerrado em 29 de janeiro, o grupo norte-americano lucrou US$ 79 milhões (US$ 0,49 por ação), ante US$ 202,6 milhões (US$ 1,21 por ação) em igual intervalo do ano anterior. Sem considerar itens como gastos para aperfeiçoar as operações de fabricação da europeia Campofrio e eliminar dívidas, o lucrou passou de US$ 0,84 para US$ 0,69 por ação.

A receita da Smithfield, contudo, saltou 9,2% no terceiro trimestre fiscal, para US$ 3,48 bilhões, beneficiada por preços médios e volumes maiores na divisão de carne suína. A margem bruta recuou de 14,3% para 10,9%, uma vez que os custos de produção dispararam 14% no período, alcançando US$ 3,1 bilhões.

A companhia, cujas marcas incluem a John Morrell, a Armour e a Farmland, viu a sua receita subir nos últimos trimestres graças à forte demanda de mercados externos. Mas, assim como outras processadoras, o resultado da Smithfield enfrenta desafios com os custos persistentemente elevados da ração animal. A empresa havia alertado que o setor de criação de suínos poderia registrar prejuízos no terceiro trimestre fiscal, já que os preços do milho aumentaram e os dos animais tiveram queda em uma base sazonal.

As vendas totais de carne suína - principal componente da receita - cresceram 11% no período, refletindo um volume 19% maior de carne fresca e 6,2% mais alto de produtos embalados. Já o segmento de criação de suínos apresentou um faturamento 17% superior no terceiro trimestre, enquanto os negócios internacionais tiveram alta de 1,3%. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.