Tamanho do texto

Doze municípios da região do Médio Rio Tibagi aceitam abrir mão de 50% do ICMS

selo

A Klabin, maior fabricante brasileira de papéis para embalagem, vai investir R$ 6,8 bilhões em uma nova fábrica de celulose na região do Médio Rio Tibagi, no Paraná. O investimento foi anunciado ontem pelo governador do Paraná, Beto Richa, e logo depois confirmado pelo diretor-geral da empresa, Fábio Schvartsman.

“É o maior investimento privado da história do Paraná”, afirmou Richa. O projeto ainda não foi totalmente aprovado e, entre as indefinições, está o município em que ficará sediada a nova fábrica.

Antecipando-se a essa definição, os prefeitos de 12 municípios da região assinaram documento ontem abrindo mão de 50% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que deve ser distribuído com os 11 demais municípios de forma equânime.

A distribuição levará em conta o volume de madeira entregue às fábricas da Klabin, o número de habitantes e a evolução municipal do Índice Ipardes de Desempenho Municipal (IPDM), indicador que mede o desempenho da gestão e ações públicas dos 399 municípios paranaenses. “Os prefeitos abrirem mão reciprocamente da arrecadação é um negócio bonito pra chuchu”, elogiou Schvartsman.

De acordo com o executivo, a preocupação da Klabin ao incentivar essa sistemática foi fazer com que todos os municípios alcancem o desenvolvimento de Telêmaco Borba, onde já tem uma indústria. “Não faz sentido ter um município quase rico e um monte de municípios pobres em volta, é uma insensatez, uma herança do Brasil antigo”, disse.

Segundo o governador Richa, cinco dos municípios que serão beneficiados diretamente pelo investimento estão entre os dez de menor IDH do Estado. “(O investimento) vai garantir oportunidade de trabalho, renda e riqueza para todos os paranaenses, e numa das regiões mais carentes”, salientou. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.