Tamanho do texto

BRASÍLIA - Produção em alta, estoques no planejado, aumento na contratação e, principalmente, lucros recordes

. Esse é o retrato da indústria brasileira no terceiro trimestre de 2010, do ponto de vista dos próprios empresários. A Sondagem Industrial divulgada há pouco pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), aponta que o índice de satisfação com a margem de lucro operacional atingiu 50,4 pontos na média de julho a setembro. "É a primeira vez que o indicador alcança a linha divisória dos 50 pontos, desde que a pergunta sobre satisfação com o lucro passou a ser feita em 2007", diz relatório da CNI. Valores abaixo de 50 indicam avaliação negativa. "O que denota que os empresários, de um modo geral, estão satisfeitos com as margens de lucro de suas empresas", continua a entidade. Por consequência, o índice de satisfação com a situação financeira também é recorde: 54,8 pontos no terceiro trimestre, o maior valor da série histórica. No segundo trimestre de 2010, o indicador apontava 52,1 pontos. "O indicador mostra que de maneira geral, os empresários consideram que a situação financeira de suas empresas está mais do que satisfatória", avalia a CNI. Outro dado inusitado na pesquisa é em relação ao acesso ao crédito. As grandes empresas apontaram satisfação com 51,2 pontos, ante 46,7 pontos entre abril de junho. As médias também aumentaram o otimismo, de 45,5 para 47,2 pontos, enquanto as pequenas ainda se queixam com 43,5 pontos. "No caso das grandes empresas, as condições de acesso ao crédito se normalizaram, após nove trimestres de dificuldades" após a crise mundial de 2008, nota a CNI. O peso dos impostos (65,3 pontos) mantém a liderança dos problemas vistos pelos empresários, seguido pela competição (40,5 pontos) e falta de mão de obra qualificada (26,5%). A Sondagem foi realizada entre os dias 4 e 19 de outubro, com 1.529 indústrias de transformação. (Azelma Rodrigues | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.