Tamanho do texto

Segundo o presidente da empresa, o câmbio valorizado, os juros elevados e a alta tributação prejudicam a indústria no Brasil

selo

André Gerdau, diretor-presidente da Gerdau, se preocupa com desindustrialização no Brasil
Divulgação
André Gerdau, diretor-presidente da Gerdau, se preocupa com desindustrialização no Brasil
O presidente da Gerdau, André Gerdau Johannpeter, disse hoje que o setor de aço está preocupado com a desindustrialização no Brasil e na América Latina.

"Todos nós da cadeia do aço estamos preocupados com a desindustrialização. Todo o continente América Latina perde no momento. Existe extrema dificuldade", disse o executivo, durante o Congresso Latino-Americano de Siderurgia, que acontece no Rio de Janeiro.

O executivo elencou como vilões no Brasil o câmbio valorizado, os juros elevados e a alta tributação. Ele deu destaque negativo para a guerra fiscal entre Estados, que baixam o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) "de modo a incentivar as importações".

Johannpeter afirmou, porém, que a previsão da indústria do aço ainda é de crescimento para o ano que vem. No mesmo evento, o presidente da Associação Latino-Americana do Aço (Alacero, na sigla em espanhol, antigo Ilafa), Daniel Novegil, que é presidente da argentina Ternium, também cobrou o fortalecimento da indústria na região.

"É o momento de promover uma política para o desenvolvimento da indústria", disse. Novegil ressaltou que a América Latina tem ajudado a sustentar a expansão da economia global e chamou a recuperação das economias dos Estados Unidos e da Europa de "anêmica".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.