Tamanho do texto

Presidente da empresa reitera interesse também na fatia do fundo de saúde do sindicato dos trabalhadores das montadoras nos EUA

selo

Sergio Marchionne, presidente da Fiat
Getty Images
Sergio Marchionne, presidente da Fiat
O executivo-chefe da montadora italiana Fiat, Sergio Marchionne, disse neste sábado ter oferecido US$ 125 milhões (R$ 197,1 milhões) para comprar a fatia de 1,7% do governo canadense na Chrysler. A oferta foi feita na quinta-feira passada, disse ele nos bastidores de um evento realizado em Veneza. Há dois dias, a Fiat fechou acordo para comprar os 6% detidos pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos na montadora norte-americana.

Marchionne é executivo-chefe de ambas as empresas e reiterou que a Fiat tem capacidade para comprar também a parte do fundo de saúde do sindicato dos trabalhadores das montadoras nos EUA (UAW, na sigla em inglês), mas não há negociações neste sentido por ora. "Adquirimos a parte do Tesouro dos EUA também para evitar a possibilidade de aparecer um concorrente no futuro", disse.

Um porta-voz do Ministério de Finanças do Canadá não comentou as declarações de Marchionne, mas disse que o país continua interessado em vender sua participação na Chrysler "tão rapidamente como possível, maximizando o valor do patrimônio para os contribuintes canadenses". Estados Unidos, Canadá e o fundo de saúde do sindicato compraram participações na empresa durante a crise do setor automobilístico em 2009.

O executivo contou que planeja abrir cerca de 100 concessionárias nos EUA neste ano a fim de aumentar as vendas do modelo Fiat 500. "Os americanos querem comprar carros mais eficientes", disse ele quando questionado sobre o possível risco de venda de carros pequenos em um país com consumidores acostumados a grandes automóveis.

Marchionne disse que a fusão entre a Fiat e a Chrysler ou uma decisão sobre para onde mudar a sede da empresa não é prioridade este ano. "A verdadeira questão a se trabalhar é a liderança e a integração", acrescentou. "Por causa da fraqueza dos mercados europeus em 2011 e 2012, a Chrysler fará mais carros que a Fiat em todo o mundo. Este é um dilema interessante", acrescentou. Ele disse que a Fiat poderá realizar emissões de dívida nos próximos meses, mas não a Chrysler.

Leia mais:

- Presidente da Fiat diz que América Latina foi "salvação"
- Fiat corta dívida, quer ampliar participação na Europa
- Fiat deve pagar US$1,5 bi por mais 16% da Chrysler, dizem fontes

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.