Tamanho do texto

MPX ainda está separando ativos de carvão para serem reunidos na CCX, com expectativa de arrecadar até US$ 1,5 bilhão na oferta

O empresário Eike Batista disse na terça-feira que a abertura de capital dos seus ativos de carvão na Colômbia, reunidos numa nova empresa CCX, ficará para o segundo trimestre e não mais para o primeiro de 2012.

"As nossas minas estão crescendo e nosso IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) vai se adiando, enquanto estão engordando a gente espera", declarou Eike a jornalistas durante seminário sobre investimentos no Rio de Janeiro.

"Se você me perguntar hoje se faria o IPO no ano que vem, a gente está pensando no primeiro trimestre, mas hoje eu diria que não será antes de maio do ano que vem", disse.

Segundo Eike, a MPX ainda está separando seus ativos de carvão para serem reunidos na CCX, para a qual espera arrecadar até US$ 1,5 bilhão na oferta inicial de ações.

Eike afirmou ainda sua confiança no potencial petrolífero do Brasil e garantiu presença na 11a rodada de licitação de blocos de petróleo e gás natural prevista para o segundo semestre deste ano.

"Não sabemos como vai ser o leilão e que áreas vão estar disponíveis, mas vamos participar, é um leilão bacana, aberto e internacional", avaliou.

Ele também disse que somente nos ativos já existentes, a OGX, braço de petróleo e gás do grupo, vai investir US$ 40 bilhões até 2020 para garantir uma produção de 1,4 milhão de barris diários de óleo equivalente.

"Vamos investir até lá US$ 40 bilhões, contando só com o portfólio que a gente tem hoje", afirmou.

"Vamos furar agora algumas áreas que temos no pré-sal, no segundo semestre, numa parceria que temos com a Perenco no Espírito Santo, são blocos que nós ganhamos na 9a rodada", explicou.