Tamanho do texto

Acordo inclui PLR deste ano e do próximo, antecipação de reajuste, abono, nova tabela salarial e antecipação do 13º de 2012

Os 3,1 mil metalúrgicos da Volkswagen em São José dos Pinhais, cidade da Região Metropolitana de Curitiba, encerraram a greve mais longa de toda a história das montadoras instaladas no Estado do Paraná na tarde desta sexta-feira. A greve durou 37 dias. Eles retornam ao trabalho na próxima segunda-feira.

Mais do que a negociação sobre a participação nos lucros e resultados (PRL), que inicialmente motivou a paralisação, os trabalhadores saem da greve com o que já vem sendo chamado de um “pacotão”. O acordo firmado com a montadora, após várias rodadas de negociação ao longo desta semana, inclui negociação da PLR deste ano e do ano que vem, antecipação de reajuste salarial de data-base, abono salarial, nova tabela salarial e antecipação do 13º salário de 2012, garantindo aumento salarial que varia de 15% a 20%.

Para o PRL desde ano, as partes chegaram ao consenso de R$ 5,2 mil de primeira parcela, a ser paga ainda este mês, com total que pode chegar a R$ 11,5 mil para 100% das metas atingidas ou equiparação com o que for pago aos metalúrgicos da unidade do ABC paulista, caso o valor de São Paulo tenha fechamento maior. Esse segundo pagamento está previsto para janeiro de 2012. Também foi negociado o pagamento do PLR de 2012, que será igual a 52% do total pago neste ano. A discussão sobre a segunda parcela fica para o segundo semestre de 2012.

Pela data-base anual, o aumento fixado ficou em 10,3%, com 2,5% de aumento real, com limite ao teto de R$ 7.630. Ficou determinado que o adiantamento da primeira parcela do 13º salário de 2012 será pago em fevereiro.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, a greve causou prejuízo de mais de R$ 1,1 bilhão à Volkswagen, sem a produção de 22.990 veículos das marcas Fox, Crossfox e Golf. A greve dos metalúrgicos começou no dia 5 de maio após a empresa divulgar que só ofereceria de PLR aos trabalhadores do Paraná 80% do que fosse pago em São Paulo.

Propostas na Bosch e na New Holland são recusadas

Nesta sexta-feira, trabalhadores da Bosch e da New Holland do Paraná recursaram proposta de PLR feita pelas empresas. Na Bosch, que fica na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), a previsão é de PLR de R$ 6 mil para 130% das metas e de R$ 4,6 mil para 100% das metas, com primeira parcela de R$ 3,7 mil. A reivindicação dos 4,2 mil trabalhadores é que a Bosch melhore a proposta, tendo em vista que empresas de menor porte fecharam o acordo em valores melhores. Em Curitiba, a Bosch produz bombas injetoras para sistemas a diesel. As negociações continuam.

Já na New Holland, também da CIC, os 1,8 mil trabalhadores podem votar o começo de uma greve na semana que vem. Por enquanto, a proposta previa uma PLR de R$ 6,5 mil para 100% das metas, com primeira parcela de R$ 4,7 mil. Uma assembleia será realizada na próxima terça-feira, quando os metalúrgicos podem votar prazo legal de 48 horas para começar a paralisação. Na planta de Curitiba a New Holland tem uma produção diária de 75 tratores e dez colheitadeiras por dia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.