Tamanho do texto

Ambos os países irão agilizar as licenças não automáticas de importação, com reuniões a cada 30 dias

O Brasil e a Argentina fecharam nesta quinta-feira um acordo para agilizar licenças não automáticas de importação para ambos os lados, o que deve acabar com o último contencioso entre os países iniciado em maio, quando o Brasil fechou as fronteiras ao ingresso de veículos argentinos.

Equipes técnicas bilaterais se reunirão a cada 30 dias, a partir de agora. O objetivo é respeitar o prazo para a liberação das licenças, sem ultrapassar os 60 dias estipulados pela Organização Mundial do Comércio (OMC). Após reunir-se com a ministra da Indústria argentina, Debora Giorgi, o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, reforçou os laços de fortalecimento ao Mercosul.

"Temos uma visão muito parecida sobre as relações comerciais bilaterais e sobre o comércio mundial", disse Pimentel. "Acertamos a agilização dos setores com problemas maiores na fronteira. Os dois lados concordaram na liberação, o que inclui calçados brasileiros na fronteira argentina, assim como automóveis retidos daqui", disse Pimentel.

A ministra Giorgi criticou algumas versões sobre os efeitos das barreiras, que também ocorrem do lado de lá em relação a produtos brasileiros. "Me parece que há muitas histórias que atendem a certos interesses", disse ela. A representante argentina garantiu que a agilização nas licenças ocorrerão em sua área, destacando, no entanto, que "há outros órgãos que não dependem diretamente de nós".

Leia mais:

- Montadoras argentinas criticam Brasil e põem Mercosul em dúvida
- Argentina tem criado dificuldades ao Brasil, diz Skaf
- Exportadores apoiam retaliação do Brasil à Argentina