Tamanho do texto

Empresa fechou a primeira grande encomenda na abertura do Salão de Aeronáutica de Paris

A Boeing conquistou a primeira grande encomenda no chuvoso dia de abertura do Salão de Aeronáutica de Paris, enquanto a rival Airbus sofreu embaraços depois de retirar dois de seus principais aviões das demonstrações aéreas.

A Qatar Airways, do Golfo Pérsico, encomendou seis Boeing 777-300ER, no valor de US$ 1,7 bilhão pelo preço de tabela, dando a largada para uma série de pedidos esperados da parte de companhias aéreas asiáticas e do Oriente Médio, que estão tentando ampliar os serviços de transportes nas economias florescentes que atendem.

O anúncio surgiu um dia depois que a Airbus anunciou planos de estender o alcance do A350, seu futuro modelo concorrente, para o qual o Qatar também é o principal comprador.

O principal campo de batalha do salão, porém, deve estar nos jatos de menor porte que formam a espinha dorsal das empresas aéreas de o Catar também é o principal comprador. segmento, a Airbus pode estar em vantagem com seu modelo A320 reformulado, cujas turbinas mais eficientes permitem economia de combustível da ordem de 15%, de acordo com a empresa.

David Hess, presidente da fabricante de turbinas Pratt & Whitney, previu demanda "espantosa" pelo A320neo, e fontes conhecedores da situação afirmam que a Airbus deve anunciar na segunda-feira um pedido de 30 A320neo, avaliados em US$ 2,4 bilhões aos preços de tabela, da parte da linha aérea escandinava SAS.

No entanto, no primeiro dia do salão, a Airbus estava sofrendo as consequências de diversas desventuras nos dias anteriores, entre as quais um acidente no qual seu superjumbo A380 colidiu contra um edifício do aeroporto de Le Bourget, e por isso teve de ser retirado das tradicionais demonstrações aéreas.

Outro modelo da Airbus, o cargueiro militar A400, também teve cancelada sua exibição aérea devido a problemas nos propulsores.

Enquanto isso, a Boeing exibe em Le Bourget, e pela primeira vez no exterior, a nova versão alongada do superjumbo 747, o 747-8. O modelo já ganhou 17 encomendas e compromissos junto a duas companhias aéreas em contratos com valor combinado de US$ 5,4 bilhões, a preços de tabela. A Boeing não revelou o nome dos compradores.

A Embraer também conquistou manchetes ao anunciar encomenda de 39 jatos regionais do modelo 190, por US$ 1,7 bilhão a preço de tabela.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.