Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Basf: jornada no Brasil é menor do que na Alemanha

Acordo fechado pela empresa química com sindicato em São Bernardo prevê jornada semanal de 36h27, menor do que os 37h30 da matriz

André Vieira, iG São Paulo |

Os empregados da fábrica da Basf em São Bernardo do Campo (SP), palco de lutas sindicais, de onde emergiu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, costumavam a trabalhar de segunda-feira a sábado, tendo o domingo como descanso. Agora, nem todos eles precisarão voltar ao batente na segunda-feira.

Depois de seis dias consecutivos de trabalho, os trabalhadores terão três dias de folga. No início desta semana, o Sindicato dos Químicos do ABC fechou acordo de ajuste das escalas de trabalho de todos os empregados da divisão de tintas e vernizes.

Divulgação
Complexo de tintas e vernizes da Basf em São Bernardo do Campo: produção em alta para atender demanda com mais empregados e jornada menor
Na prática, os empregados da Basf terão uma redução de sua jornada de trabalho semanal de 42 horas para 36h27, sem diminuição de salários ou corte de benefícios.

O acordo fará com que os empregados de São Bernardo da Basf, a maior empresa química do mundo, trabalhem menos até do que seus colegas na matriz na Alemanha, um dos berços do Estado de bem-estar social ("Welfare State"). Em Ludwigshafen, sede da empresa, que emprega 48,5 mil pessoas, a jornada de trabalho atual é de 37h30 por semana.

Nos últimos tempos, o forte crescimento da economia brasileira tem garantido aumentos reais dos salários dos trabalhadores, o que tem levado os sindicatos a brigarem por redução de jornada e criação de novos empregos. Mas os empresários têm resistido e preferido ampliar as horas extras.

No caso da Basf, até janeiro de 2011, quando o sistema de 6x3 (seis de trabalho para três de folgas) estiver totalmente implantado, 225 funcionários vão atuar neste sistema.

A mudança da escala de trabalho na fábrica da Basf em São Bernardo do Campo a coloca entre as de menor jornada de trabalho no País, equivalendo a um acordo acertado no fim dos anos 1990 entre o sindicato e a Colgate-Palmolive, a fabricante americana de higiene. Algumas empresas do polo petroquímico do ABC paulista possuem jornadas até menores, ao redor de 33 horas, porque precisam manter suas fábricas operando sem parar.

"O acordo é muito significativo", diz Fábio Lins, diretor do sindicato dos químicos que é filiado à CUT. "Com mais tempo livre, o empregado poderá estudar mais, ter mais atividades sócio-familiares, fazer cursos para obter uma promoção ou até procurar novo emprego."

Horas extras por mais empregos

A Basf deve trocar as horas extras pagas por novos empregos fixos. A estimativa inicial da Basf é que 45 novas vagas sejam criadas de imediato, podendo aumentar caso a atividade econômica continue forte. A unidade da Basf já opera em três turnos.

O sindicato calcula que a mudança poderá gerar até 100 vagas e proporcionar mudanças nas condições de trabalho, como mais promoções e maior mobilidade interna.

A divisão concentra o segmento de tintas imobiliárias, de uso residencial, comercializados com a marca Suvinil. O Brasil é o único local no mundo onde a empresa vende tintas diretamente no varejo.

Em outras oportunidades, a empresa já anunciou a disposição de apostar fortemente no segmento dado ao grande crescimento esperado por projetos habitacionais, como o Minha Casa, Minhas Vida, obras de infraestrutura, do PAC, e os grandes projetos esportivos (Copa do Mundo e Olimpíadas).

Em nota, a Basf disse que o acordo se ajusta às "necessidades do mercado, como também o foco da organização no desenvolvimento da melhor equipe na indústria e o longo histórico" com o sindicato.

Segundo o sindicato, o acordo é válido por 24 meses. "A Basf não aceitaria essa condição se não tivesse certa do crescimento da economia brasileira", diz Lins, do sindicato do ABC.

Em 2009, a filial brasileira da Basf alcançou receita bruta de R$ 5,4 bilhões, alta de 1% sobre o ano anterior. Alfred Hackenberger assumiu o comando da filial brasileira no início deste mês, substituindo Rolf-Dieter Acker, que se aposentou.

 

Leia tudo sobre: basfjornada de trabalhoreduçãosindicatonegociação

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG