Tamanho do texto

Presidente da Fiesp afirma que o Pais poderia ter tomado medida de restric?o a importac?o de automoveis antes

A decisão do governo brasileiro de aumentar barreiras à importação de veículos foi elogiada nesta sexta-feira por Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que criticou a Argentina por reclamar da medida. Segundo ele, o país vizinho não poupa o Brasil na hora de adotar medidas contra a indústria brasileira.

“O Brasil tomou uma decisão certa e só errou em não ter tomado esta medida antes,” afirmou Skaf, em São Paulo, durante evento realizado na Fiesp com empresários chineses. Segundo ele, a Argentina já vem impondo há bastante tempo dificuldades para os exportadores brasileiros.

A medida tomada pelo Brasil deixa de permitir o ingresso automático do produto estrangeiro, que passa a precisar de uma autorização – em um prazo de 60 dias – para entrar no País. Na última quinta-feira, Débora Giorgi, ministra da indústria da Argentina, criticou a decisão do Brasil afirmando que o governo atuou de forma “intempestiva”.

Robson Braga de Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que participava do evento, também elogiou a medida e, sobre a insatisfação argentina, ponderou que o Brasil não impôs uma restrição apenas ao país sul-americano.

“Nós apoiamos e aplaudimos esta medida, achamos que está no caminho certo. Não é uma questão com a Argentina, é uma questão de proteger e dar uma isonomia para a indústria brasileira com o resto do mundo.”