Tamanho do texto

Governo argentino diz que quer estimular que os setores privados fechem acordos de cotas

selo

A ministra da Indústria da Argentina, Débora Giorgi, defendeu nesta quinta-feira um acordo de autolimitação das exportações brasileiras para a Argentina. Segundo ela, o governo argentino quer estimular que os setores privados fechem acordos de cotas. Os setores mais sensíveis, disse a ministra, são calçados, têxteis, linha branca e marrom, além de baterias, freios e embreagens para o mercado de reposição.

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, disse que o Brasil poderá colocar outros produtos, além dos automóveis, em licenciamento não automático sempre que o déficit comercial for muito elevado. Pimentel afirmou que a medida contra as importações de automóveis não é uma retaliação à Argentina. "É para o mundo inteiro. Não é em relação à Argentina. Criou problema no comércio com Argentina porque é o maior fornecedor de carro para o Brasil", afirmou. "Nós estamos equacionando, mas vamos liberar o mais rápido não só para Argentina quanto para os outros países", completou.

O ministro disse ainda que nunca houve uma crise ou ruptura na relação comercial, política e diplomática entre Brasil e Argentina. Segundo ele, é normal que dois países com o comércio bilateral volumoso tenham "ruídos" e problemas nas aduanas.

Pimentel informou que a corrente de comércio entre Brasil e Argentina de janeiro a maio somou US$ 15 bilhões. "É preciso ter tolerância para entender que sempre tem problema na fronteira entre países que têm esse volume de comércio", destacou. Pimentel citou, como exemplo, as relações entre México e Estados Unidos.

A ministra da Argentina também afirmou não haver uma guerra comercial e que o objetivo das discussões é aprofundar as relações.

Caminhões argentinos

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, afirmou hoje que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pode financiar as vendas de caminhões argentinos para o Brasil, usando a linha do Finame. "Há uma possibilidade grande de incluir a Argentina nesta linha. Não está decidido porque o fórum é o conselho do banco, mas há uma possibilidade grande", afirmou Pimentel. Ele informou que os caminhões argentinos são montados com autopeças brasileiras.

Leia mais:

- Montadoras argentinas criticam Brasil e põem Mercosul em dúvida
- Argentina tem criado dificuldades ao Brasil, diz Skaf
- Exportadores apoiam retaliação do Brasil à Argentina

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.