Tamanho do texto

Material é obtido no processo produtivo das próprias siderúrgicas ou de seus clientes ou ainda recolhendo produtos descartados

A comercialização da sucata pode render receita e ganhos ao meio ambiente
Thinkstock Photos
A comercialização da sucata pode render receita e ganhos ao meio ambiente

O aço é 100% reciclável, o que o torna um dos materiais mais sustentáveis do mundo. Até mesmo uma chapa totalmente tomada pela ferrugem pode ser encaminhada para processamento em uma aciaria siderúrgica ganhando novas possibilidades de uso.

A reutilização do aço alivia a ocupação de aterros públicos, reduz a demanda por recursos naturais, como minério de ferro, carvão e água, poupa energia e ainda reduz o custo do produto final . A soma desses fatores leva as siderúrgicas a estabelecerem estratégias de obtenção de sucatas de acordo com seus processos industriais.

Leia mais:  Siderúrgicas ganham qualidade com separação de reciclado

As siderúrgicas trabalham com três tipos diferentes de sucatas, de acordo com a origem do material. A sucata interna, no jargão siderúrgico chamada de retorno, é a mais valorizada, classificada de primeira categoria devido ao seu grau de pureza. Ela é originada nos resíduos industriais das próprias siderúrgicas, como aparas de perfis, barras ou chapas.

Outro tipo de sucata é a proveniente de processos industriais das companhias usuárias de aço, como fabricantes de máquinas e equipamentos, construção civil, produtores de geladeiras e fogões, a indústria automobilística, naval e ferroviária. Para essas empresas, a comercialização da sucata transforma em receita financeira, o que poderia ser um passivo ambiental .

Há ainda a chamada sucata de obsolescência, ou seja, a originada de produtos que já cumpriram seu ciclo de vida útil. A gama de itens é imensa, vai de latas que servem de embalagens de alimentos e óleos lubrificantes até veículos velhos, passando pelas mais diferentes peças e utensílios domésticos e industriais.

Recolher e processar essas sucatas gera oportunidades de negócios para catadores autônomos e  empresas sucateiras – estima-se que sejam em cerca de três mil no Brasil – que realizam uma triagem do material que será destinado às siderúrgicas, sendo que as sucateiras mais estruturadas chegam a realizar um processamento primário do material obtido.