Tamanho do texto

Grupo obteve cerca de R$ 7,5 bilhões de capital votante pela primeira vez

selo

Acionistas minoritários da Petrobras deram segunda, 19, uma mostra inédita de mobilização em assembleia da companhia, apresentando candidatos próprios para vagas de conselho de administração e conselho fiscal.

Reclamavam basicamente as cadeiras hoje ocupadas pelos empresários Jorge Gerdau Johannpeter, da Gerdau, e de Josué Gomes da Silva, filho do ex-vice-presidente José Alencar, representantes, respectivamente, de minoritários com ações sem direito a voto (preferencialistas) e com direito (ordinaristas).

Ambos foram reeleitos nesta segunda com cerca de 1.400 bilhão de ações, ou cerca de R$ 35 bilhões de capital. Com respaldo de fundos de investimento nacionais e estrangeiros, os minoritários não conseguiram eleger seus candidatos por causa do voto de fundos de pensão Previ (Banco do Brasil) e Petros (Petrobras) e do BNDESPar, empresa de participações do banco estatal, que apoiam os indicados pelo controlador (governo), mas votam na condição de minoritários.

No entanto, a quantidade de votos teve simbolismo por mobilizar cerca de R$ 7,5 bilhões de capital votante, cerca de 300 milhões de ações ordinárias, considerando o papel a R$ 25. Foi a primeira mobilização de peso dos minoritários da estatal.

“O valor é altamente expressivo dada a burocracia envolvida. Foi a primeira tentativa de investidores do mercado de capitais de indicar um representante. No ano que vem esperamos que os debates surtam efeito”, disse o vice-presidente da Amec e ex-presidente do IBGC, Mauro Cunha, candidato do grupo minoritário para a vaga ordinarista do conselho de administração.

Reunidos em torno da gestora de recursos BlackRock, detentora de 5% das ações preferenciais da companhia e 2,15% do capital total, minoritários indicaram quatro candidatos próprios independentes. O grupo é composto basicamente por fundos nacionais e estrangeiros. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.