Tamanho do texto

Carnaval tardio prejudicou licenciamentos de março — produção despencou 8,4% frente ao mesmo período de 2013

Produção de veículos caiu 8,4% no primeiro trimestre do ano na comparação anual
Getty Images
Produção de veículos caiu 8,4% no primeiro trimestre do ano na comparação anual

A perda de ritmo no comércio de veículos segue mostrando seus efeitos na indústria automotiva. Segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), as vendas despencaram 2,1% no primeiro trimestre deste ano. Em março foram vendidas 240,8 mil unidades, 7,1% a menos que no terceiro mês de 2013.

A produção também recuou em março. Com o Carnaval no começo do mês, as vendas foram 17,6% menores que o mês de março do ano passado, quando o carnaval caiu em fevereiro.

Para Luiz Moan, presidente da Anfavea, o resultado já era esperado pelo mercado. Não só pelo evento, mas também pelo impacto do aumento do Imposto sobre Produtos Realizados (IPI) no preço dos veículos. "Este é o primeiro mês do impacto completo do IPI", diz. O executivo também lembra que em março do ano passado houve uma corrida diante de uma expectativa de aumento do imposto.

Veja também: O que o Strada, da Fiat, tem para deixar o Gol, da Volkswagen, para trás?

Moan espera um aumento nas aquisições feitas via leasing, depois da melhora na segurança da operação. No primeiro trimestre, a modalidade representou 2,1% das vendas no primeiro trimestre, 0,5 ponto a mais que no mesmo período do ano passado.

Exportações caíram 46,2% em março

O fechamento do mercado argentino continua pesando sobre as exportações brasileiras. Entre veículos, caminhões e ônibus, o número de veículos exportados caiu 46,2% frente a março do ano passado.

Os veículos leves foram os principais responsáveis pelo resultado ruim, pesando com queda de 47,9% no mês. No trimestre o resultado é 34,7% inferior, com 68.800 unidades enviadas para fora do País.

No entanto, no sábado, a Argentina assinou com o Brasil um memorando de entendimento, que deverá começar a refazer o fluxo de comércio entre os países. "O pior da relação com a Argentina já passou", lembra Moan.

*Notícia em atualização