Tamanho do texto

Preocupação é de que crescimento menor prejudique a recuperação da economia na Europa

Reuters

Renault reduziu projeções sobre vendas globais
Bloomberg via Getty Images
Renault reduziu projeções sobre vendas globais

A montadora francesa Renault reduziu sua projeção de crescimento no mercado global para este ano, dando sinal de que a indústria está ficando cada vez mais preocupada com a volatilidade dos mercados emergentes, mesmo com um aumento recente na demanda europeia.

Leia também: Montadoras iniciam corrida por fornecedores no Brasil

Jérôme Stoll, chefe de vendas da Renault, disse nesta terça-feira (4), na Feira do Automóvel de Genebra, que o grupo espera que as vendas globais aumentem pouco menos que os 2% de sua previsão anterior.

"Embora a Europa mostre alguns sinais de recuperação, ao mesmo tempo estamos vendo alguns ventos contrários dos mercados emergentes", afirmou, citando demanda menor que a esperada na Rússia, Argentina, Turquia e Argélia em particular.

Após seis anos de queda nas vendas, o mercado automoblístico europeu finalmente dá sinais de recuperação, já que mesmo os países mais atingidos pela crise da dívida soberana já saem da recessão.

Dados da indústria da segunda-feira (3) mostram que as vendas aumentaram na Alemanha, na Itália e na Espanha, embora tenham caído na França.

Mas alguns mercados emergentes, como Brasil e Rússia, mostraram redução na procura, e os executivos temem que o mais recente surto de volatilidade, desencadeado pela intervenção militar russa na Ucrânia, leve a um enfraquecimento ainda maior.

"Alguns países viram suas moedas se desvalorizarem 20%, 30% ou 35%. Isso sempre tem consequências… muito fortes, se você não produz localmente", disse Christian Klingler, chefe de vendas da Volkswagen, maior montadora europeia.

"Somos um grande parceiro comercial da Rússia e estamos olhando para ela e a Ucrânia com preocupação", acrescentou Martin Winterkorn, executivo-chefe da Volkswagen.

Entretanto, os executivos permanecem majoritariamente otimistas com as perspectivas globais da indústria automoblística, apontando a força crescente da demanda na China, o maior mercado de carros do mundo, e a recuperação dos Estados Unidos.

"É uma questão de décimos de ponto percentual", disse Stoll sobre o corte nas projeções de crescimento da Renault.

Stoll afirmou ainda estar confiante na recuperação do mercado francês, apesar da queda nas vendas em fevereiro, e acrescentou que a força da recuperação em países anteriormente atingidos pela crise, como Itália, Portugal e Espanha, foi "uma boa surpresa".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.