Tamanho do texto

Acordo põe fim a quase um ano de negociações e acaba com questionamentos sobre o mais caro programa desenvolvido pelo Pentágono, avaliado em US$ 396 bilhões

A fabricante de aviões Lockheed Martin e o Departamento de Defesa dos EUA chegaram a um acordo para o quinto lote de 32 aviões de combate F-35, disse o Pentágono na sexta-feira, colocando um ponto final a quase um ano de negociações.

- Novo avião da Embraer é testado em túnel de vento holandês. Assista ao vídeo

O negócio é avaliado em cerca de US$ 3,8 bilhões (R$ 8 bilhões), embora os dois lados ainda estejam finalizando os detalhes, disse à Reuters uma fonte familiarizada com o acordo.

Cada um dos novos aviões que custa 50% menos do que o preço pelos aviões do primeiro lote, disse a fonte, que não estava autorizada a falar publicamente.

O acordo vai ajudar a financiar sexto lote que a Lockheed, maior fornecedora do Pentágono, tem construído por conta própria.

O porta-voz do Pentágono, George Little disse que os detalhes sobre o custo por aeronave seriam liberado tão logo o contrato final for assinado.

- Empresa britânica diz ter obtido maior avanço desde o motor a jato

O acordo remove uma nuvem que pairava sobre programa de US$ 396 bilhões (R$ 840 bilhões) do F-35, o mais caro do Pentágono. Ambos os lados têm tentado chegar a um acordo sobre este lote de aviões desde dezembro de 2011.

O chefe do Pentágono para compra de armas, Frank Kendall, disse à Reuters na quarta-feira que os dois lados estavam "chegando perto" de um acordo após o que ele descreveu como uma reunião "muito produtiva" com o presidente da Lockheed, Marillyn Hewson.

Hewson também disse que a Lockheed e o Pentágono também estavam progredindo sobre financiamento adicional para as primeiras unidades do sexto lote de jatos F-35.

* Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.