Tamanho do texto

Segundo o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, câmbio a R$ 2,10 ainda não é o suficiente para o bom desempenho do setor industrial

Agência Estado

A taxa de câmbio poderia chegar a pelo menos R$ 2,40 por dólar, disse nesta sexta-feira ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade. A afirmação foi feita pelo executivo ao receber o ministro para a composição da mesa da 32ª Reunião do Fórum Nacional da Indústria, realizado pela confederação.

Veja também:  Dólar ultrapassa R$2,10 e atinge máxima em mais de 3 anos

Após a saída do ministro, Andrade disse aos jornalistas que a entidade tem um estudo com base no câmbio de 2005 que sugere que, hoje, o dólar deveria estar sendo cotado a R$ 2,47. Sobre afirmação de Mantega, de que o dólar acima de R$ 2,00 veio para ficar, o presidente da CNI disse ser considerar positivo.

Veja também:  Câmbio acima de R$ 2 veio para ficar, afirma Mantega

Andrade começou seu discurso elogiando o ministro, dizendo que o setor reconhece o esforço do governo na adoção de medidas que beneficiam a indústria e se colocando à disposição do governo para auxiliar em futuras ações e para continuar a apoiar as atitudes já em discussão no âmbito do governo. Ele disse ainda para Mantega que a redução da tarifa de energia elétrica - de até 28% para a indústria e de cerca de 16% para o consumidor residencial - vai trazer benefícios para toda a sociedade. Mas em seguida provocou o ministro, alegando que o patamar do câmbio ainda não é o ideal para o bom desempenho da atividade industrial.

"Quando o câmbio estava em R$ 1,60, nós pedimos que fosse para R$ 2,00. Agora tem empresário que fala em até R$ 3,00. Mas poderia chegar em R$ 2,40, mais ou menos", disse Andrade para o ministro. "Reconhecemos as medidas que o governo vem tomando, como a redução da energia que vai trazer benefícios para toda a sociedade" disse Andrade. Ele acrescentou que as empresas do setor de energia elétrica terão que se adequar às novas regras porque estavam com seus "balanços inchados". "Mas certamente nós apoiaremos a redução do custo da energia", se comprometeu o presidente da CNI, acrescentando que a entidade já tem trabalhado em algumas medidas em parceria com o governo.

Andrade pediu também ao ministro a renovação do Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários (Reitegra), alegando que sem a renovação, hoje a indústria não tem segurança para formar preços para o começo de 2013. Os empresários pediram também a renovação dos juros do Programa de Sustentação do Investimento (PSI).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.