Tamanho do texto

Novas leis e a própria exigência do consumidor em ter acesso ao conforto e à conectividade, vão acelerar a transferência para os carros mais baratos de tecnologias disponíveis apenas em modelos de luxo

Agência Estado

O carro pé de boi, totalmente desprovido de itens de segurança e conforto, está com os dias contados. As novas leis que obrigam montadoras a colocarem sistemas como airbag, freio ABS, motor mais econômico e menos poluente, além da própria exigência do consumidor em ter acesso ao conforto e à conectividade, vão acelerar a transferência para os carros mais baratos de tecnologias hoje disponíveis apenas em modelos de luxo.

Algumas iniciativas começam a surgir em novos veículos, como o compacto Onix, da General Motors, que tem sistema multimídia que permite ao usuário trazer músicas, fotos, vídeos e aplicativos do celular para o carro, além de fazer ligações telefônicas via Bluetooth. O sistema de conectividade do novo Renault Clio permite arquivos em MP3, conexão via Bluetooth e entrada auxiliar do tipo USB.

Numa categoria mais acima, o novo Ford EcoSport traz sistema de partida sem chave, sensor de estacionamento e assistente de partida em rampa que mantém o veículo parado por até três segundos após a retirada do pé do freio, facilitando manobras.

O diretor da Delphi, Valdir de Souza, afirma que as novas tecnologias chegam ao mercado primeiro nos produtos top de linha porque o custo de desenvolvimento é elevado, mas, à medida que se intensifica o uso, o preço cai. "Em média, num período de três anos ocorre uma redução de custo de 50% numa nova tecnologia", diz. "Foi o que ocorreu com os celulares, computadores e TVs."

Outro sistema com diversas funções, chamado de MyFi e já disponível em carros na China, vigia tudo o que ocorre dentro do carro e repassa um aviso ao smartphone do proprietário se há algum movimento. "Isso pode evitar, por exemplo, que uma criança seja deixada no carro, como já vimos em casos recentes que resultaram até em mortes", diz Souza.

A empresa também vai lançar os rastreadores, que passarão a ser obrigatórios em 100% dos carros novos até agosto de 2013, com funções extras, como avisar sobre a necessidade de abastecimento e de troca de óleo, além de medir consumo e desgaste de pneus.

O diretor da consultoria Roland Berger, Martim Bodewig, concorda que o maior salto a ser dado pelas montadoras será nos carros de entrada. "Será uma mudança constante e cada vez mais o carro brasileiro será parecido com o carro global, mais seguro, mais eficiente, com mais conforto e maior conectividade."

O vice-presidente da Ford, Rogelio Golfarb, acredita que, nos próximos cinco anos, "haverá um tsunami tecnológico nos carros brasileiros". O programa Inovar-Auto, que estabelece metas para redução de consumo e de poluentes a partir de 2017, também incentiva o desenvolvimento de tecnologias nas áreas de segurança e conectividade, com redução de impostos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.