Tamanho do texto

Xarelto, usado para combater evolução da trombose, poderá ser indicado na prevenção de ataque cardíaco

A indústria farmacêutica alemã Bayer anunciou ontem o início de pesquisa sobre os males cardiovasculares para pessoas que lançam mão de estratégias de anticoagulação (Compass, na sigla em inglês).

Este será o maior estudo clínico já realizado sobre o seu medicamento oral, o anticoagulante Xarelto, e deve gerar receita adicional de ¤ 2 bilhões às vendas anuais do medicamento. Os investimentos, porém, não foram divulgados pela companhia.

A nova fase terá como principal missão investigar a prevenção de eventos cardíacos adversos importantes, incluindo morte cardiovascular, infarto do miocárdio e Acidente Vascular Cerebral (AVC) em pacientes com doença arterial coronariana ou periférica.

MaisBayer nega relação de fungicida Derosal e suco barrado nos EUA

A terceira fase do Compass avaliará de que maneira o Xarelto pode complementar ou substituir a aspirina como tratamento padrão para as pessoas que sofreram um ataque cardíaco, devido à arteriosclerose ou o entupimento das artérias. Para promover a pesquisa, a Bayer — comandada por Marijn Dekkers —,terá a colaboração do Instituto de Investigação da Saúde da População (PHRI, na sigla em inglês), e contará com aproximadamente 20 mil pacientes, em mais de 450 centros de pesquisa distribuídos em mais de 25 países pelo mundo.

“Hoje, a Aspirina é o tratamento padrão e oferece proteção significativa para os pacientes com doença arterial coronariana ou periférica”, explica Salim Yusuf, diretor executivo do PHRI, no Canadá, e principal investigador do Compass. “No entanto, ainda existe um risco residual de eventos cardíacos, tais como ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral para os pacientes”, completa.

Segundo Yusuf, trata-se de uma investigação importante, estabelecida para fornecer informações adicionais sobre os benefícios preventivos que o Xarelto pode proporcionar aos pacientes que já tiveram um ataque cardíaco.

“Para ressaltar a importância do Xarelto, vale dizer que a cada 37 segundos, uma pessoa morre de tromboembolismo venoso. No total, são 84,3 mil por ano”, destaca.

Tratamentos

Atualmente, os tratamentos frequentemente prescritos para a prevenção de problemas cardiovasculares em pacientes com doença arterial coronariana ou periférica são os agentes antiplaquetários, como a aspirina.

“Aspirina e Xarelto têm mecanismos complementares. Quando combinados, podem melhorar a condição dos pacientes com síndrome coronariana aguda”, explica avalia Kemal Malik, membro do Comitê Executivo da Bayer e chefe de Desenvolvimento Global. “Neste sentido, o Compass vai avaliar se a combinação tem potencial para exercer uma proteção mais completa em relação a cada um dos produtos utilizados individualmente”, avalia ele.

Desde 2008, a Bayer vem realizando estudos para atribuir essa atuação adicional ao medicamento, que além de combater a evolução da trombose, pode prevenir ataques cardíacos. Nos últimos quatro anos, mais de 2,5 milhões de pacientes utilizaram o anticoagulante, segundo a empresa.

“Com a conclusão do Compass, não surgirá somente uma nova droga, mas sim uma nova estratégia. Pretendemos implementar um centro de investigação sobre saúde em cada país”, informa ainda Yusuf.

Malik diz que os resultados satisfatórios devem fazer com que o estudo traga números consistentes, que daria maior credibilidade ao Xarelto para a prevenção de problemas cardiovasculares.

*O repórter viajou a convite da empresa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.