Tamanho do texto

Empresa decidiu investir sozinha no plano que tem como objetivo desenvolver capacidade de produção de 24 milhões de toneladas de minério de ferro por ano em 2020

Reuters

A Gerdau desistiu de buscar um parceiro para desenvolver seus ativos de minério de ferro, e optou por seguir sozinha no plano de investimento de R$ 1,8 bilhão que deve garantir à maior produtora de aços longos das Américas autossuficência no insumo no Brasil e sobra de material para ser vendido no país e no exterior.

Depois de um processo que já durava cerca de um ano, a empresa decidiu investir sozinha no plano que tem como objetivo desenvolver capacidade de produção de 24 milhões de toneladas de minério de ferro por ano em 2020, mais do que o triplo das necessidades atuais da usina da empresa em Minas Gerais, de cerca de 7 milhões de toneladas.

A empresa, que trabalhava com avaliação de que possuía reserva de 2,9 bilhões de toneladas de recursos minerais em Minas Gerais, descobriu após estudos que o volume é de 6,3 bilhões de toneladas, com teor de ferro acima de 40%.

Veja mais

Gerdau tem queda de 43% no lucro no 3º trimestre

Apesar disso, a Gerdau não conseguiu atrair propostas dentro de suas expectativas de vários investidores americanos, europeus e asiáticos que foram procurados pelo Goldman Sachs, banco contratado pela empresa para ajudar na busca de um sócio.

A opção de fazer uma abertura de capital de parte dos ativos por meio de uma oferta inicial de ações também está descartada, disse o vice-presidente financeiro, Osvaldo Schirmer, em sua última teleconferência de resultados do grupo antes de se aposentar no final deste ano. Ele não revelou qual era a expectativa que a Gerdau tinha para o recebimento das propostas.

Com isso, a empresa, que já está investindo R$ 838 milhões para ampliar a capacidade de produção de minério de ferro para 11,5 milhões de toneladas em 2013, vai aplicar mais R$ 500 milhões para elevar esse volume para 18 milhões de toneladas até 2016.

E também :

Gerdau desenvolve produto para geração de energia eólica

Além disso, outros R$ 500 milhões serão aportados para a construção de um terminal ferroviário em Miguel Burnier (MG)para escoamento da produção mineral. A Gerdau ainda avalia plano para construir um terminal portuário em Itaguaí (RJ) para exportações.

Às 14h01, as ações da Gerdau exibiam queda de 0,51%, enquanto o Ibovespa mostrava alta de 1,24%.

Resultado dentro do esperado

Mais cedo, a Gerdau divulgou queda anual de 43% no lucro líquido do terceiro trimestre, para R$ 408 milhões, dentro do esperado pelo mercado e pressionada por um cenário "mais difícil" que o inicialmente esperado, marcado por queda no desempenho operacional das unidades da empresa nas Americas Latina e do Norte, segundo Schirmer.

O balanço saiu no mesmo dia em que a Usiminas divulgou prejuízo maior que o esperado pela média do mercado, de R$ 125 milhões e depois que a CSN anunciou na véspera queda de 85% no lucro do terceiro trimestre, pressionada por aumento de custo nos produtos vendidos.

Com a queda no resultado positivo e na geração de caixa, a relação dívida líquida/Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Gerdau passou a 2,8 vezes ao final de setembro ante patamar de 2,1 vezes registrado um ano antes.

LeiaGerdau investirá US$253 milhões em nova fábrica no Peru

Segundo Schirmer, o endividamento da Gerdau em relação à capitalização do grupo não passa de 30%. "O nível endividamento é baixo, o que está sendo difícil de conviver no momento é com o estreitamento das margens que ampliou a alavancagem pela menor geração de caixa".

Apesar disso, o executivo comentou que a Gerdau tem cerca de US$ 1,5 bilhão em disponibilidades financeiras, "e para os próximos trimestres nós talvez baixemos um pouco a liquidez para diminuir a alavancagem. Se os negócios melhorarem e as margens se ampliarem, faremos mais, inclusive".

Investimento

Junto com o resultado, a Gerdau divulgou que vai investir R$ 460 milhões para construir uma nova aciaria na usina Riograndense, em Sapucaia do Sul (RS). A nova unidade, com capacidade para 650 mil toneladas por ano, deverá entrar em operação no segundo semestre de 2015, substituindo instalação atual com capacidade de 450 mil toneladas.

O anúncio seguiu-se ao plano da Gerdau de retomar projeto de R$ 1,1 bilhão para construção de uma nova usina no México, por meio da joint-venture Gerdau Corsa, divulgado em agosto.

A Gerdau divulgou no balanço que diante das "incertezas do mercado econômico mundial" decidiu revisar seu plano de investimento de R$ 10,3 bilhões até 2016 e que vai divulgar um novo orçamento em fevereiro.

TambémGerdau investiu 150% mais no 2º trimestre

Segundo o presidente-executivo da companhia, Andre Gerdau Johannpeter, o montante de R$ 1 bilhão em mineração não estava previsto no plano de investimento atual.

"Nós estavamos desde o trimestre anterior fazendo uma avaliação mais criteriosa de todos os investimentos (...) estamos revisando o plano também frente à nova estratégia de mineração", disse Gerdau.

Ele classificou a revisão como um "processo natural" e que é cedo para dizer se o volume total de recursos poderá ser ampliado ou reduzido, diante das incertezas da economia global nos próximos anos com a crise da Europa e desaceleração da China.

Por ora, a Gerdau trabalha com cenário de crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil de 4% em 2013, após expansão esperada de apenas 1,5% neste ano.

Enquanto isso, o consumo de aço pelo país deve passar de estimadas 25,9 milhões de toneladas para 2012 (alta de 3,3% sobre 2011) para 27 milhões de toneladas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.