Tamanho do texto

Aumento de 4,1% registrado em setembro é inferior ao de agosto, de 5,3%, e menor ainda que a média de crescimento na primeira metade do ano, de 6%

Agência Estado

As viagens aéreas globais tiveram um ritmo de crescimento mais lento em setembro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata). O aumento de 4,1% registrado em setembro é inferior ao de agosto, de 5,3%, e menor ainda que a média de crescimento na primeira metade do ano, de 6%. Segundo a associação, os níveis das viagens aéreas globais têm permanecido estáveis, sob influência da confiança nos negócios e da desaceleração dos níveis de crescimento globais.

LeiaEconomia fraca reduz viagens de negócios

Apesar das condições recessivas em diversos países na zona de euro, as companhias aéreas europeias verificaram crescimento de 5,4% nas viagens em setembro em relação ao mesmo mês do ano passado. O Oriente Médio continua a ser a região com maior expansão, de 13,3% em setembro sobre um ano antes. Nos Estados Unidos, as companhias aéreas têm mantido capacidades apertadas, com aumento de 2,1% em setembro na comparação anual. Já na Ásia e no Pacífico, o tráfego internacional teve variação de apenas 1,7%.

Nos mercados domésticos, as viagens aéreas na China cresceram 11,4% em setembro na comparação com o mesmo período do ano passado. A Índia, por sua vez, registrou contração de 9,9% no seu tráfego doméstico no mês ante 12 meses. O Japão também apresentou redução de 0,3% na comparação anual, com níveis atuais ainda 10% abaixo dos apurados antes do terremoto de 2011.

MaisVidas no batente: após 20 anos, comissária de bordo vê classe média 'decolar'

Segundo a Iata, "o ambiente de demanda para os mercados de viagens aéreas e frete continua suave". O mercado de passageiros cresceu 0,8% em setembro em comparação com agosto, o que a associação vê como positivo, diante da recente tendência de pequeno ou nenhum crescimento. A Iata representa aproximadamente 240 linhas aéreas responsáveis por 84% do tráfego global aéreo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.