Tamanho do texto

Após advertir o governo para que não tentasse impedir a análise do texto nesta quarta-feira, presidente da Câmara decidiu convocar sessão para a próxima terça-feira

Reuters

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), marcou para a próxima terça-feira a votação no plenário da Casa de uma nova proposta de divisão dos royalties da exploração de petróleo, após chegar a advertir o governo para que não tentasse impedir a análise do texto nesta quarta-feira.

A decisão foi anunciada após pedido do líder do governo na Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP), que argumentou que diversas bancadas ainda devem se reunir para discutir o tema. Outros líderes de bancada também apoiaram Chinaglia no pedido.

Veja maisDilma: royalties futuros irão para Educação

"Entendendo o apelo da maioria dos líderes da Casa... Vamos convocar uma sessão extraordinária para a terça-feira, às nove horas da manhã, para a votação dos royalties", disse o presidente após a manifestação de líderes.

Mais cedo, Maia endureceu o discurso e sinalizou o início de uma queda de braço com o Palácio do Planalto.

Ele chegou a dizer que, caso governistas tentassem impedir a votação nesta quarta, nenhuma medida provisória seria votada em comissões mistas do Congresso até que a questão dos royalties fosse analisada.

Antes de marcar a votação para a semana que vem, ele disse ainda que convocaria quantas sessões extraordinárias fossem necessárias para ter a matéria votada na quarta.

TambémCâmara adia votação sobre os royalties do petróleo

"Nenhuma estratégia que tente colocar medidas provisórias na frente da votação dos royalties vai prosperar aqui na Câmara. Se essa for a estratégia, volto a dizer: não será mais votada nenhuma medida provisória em comissão mista enquanto não votarmos os royalties na Casa", disse o presidente da Câmara, cujo mandato à frente da Casa termina em fevereiro.

"Nesse caso específico, quanto menos o governo se meter, se envolver, melhor", alertou.

As declarações de Maia foram feitas antes de o governo se envolver diretamente na discussão e enviar o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, ao Congresso para explicitar sua posição.

Em reunião com a bancada do PT na Câmara, Mercadante falou em nome da presidente Dilma Rousseff. Ele afirmou que o governo defende que os recursos dos royalties provenientes de contratos futuros sejam destinados à educação, assim como parte dos rendimentos do Fundo Social.

E maisComissão propõe emenda ao projeto de royalties

Projeto aprovado pela Câmara determina o investimento de 10 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) na educação, mas o governo mantinha a posição pública de que seria necessário determinar uma fonte para esse financiamento e chegou a se declarar favorável à utilização dos recursos dos royalties para isso.

Para o líder do PT, deputado Jilmar Tatto (PT-SP), o movimento do governo exige novas conversas e pode implicar numa mudança do relatório do projeto, a cargo do deputado Carlos Zarattini (PT-SP).

"Até então, o governo não tinha uma opinião a respeito do assunto e agora tem. A partir dessa opinião, nós vamos construir um consenso primeiro no PT e depois na base aliada", disse Tatto a jornalistas após a reunião com Mercadante.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.