Tamanho do texto

Montadoras já pediram ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, uma reunião para discutir novo adiamento do fim do IPI reduzido para compra de veículos

Agência Estado

O presidente da Fiat e da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini, disse que as montadoras pediram ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, uma reunião para discutir uma nova prorrogação da política de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido para compra de veículos. De acordo com ele, governo federal e montadoras ainda não conseguiram se encontrar devido às dificuldades de encaixar o encontro na agenda do ministro.

Leia também: veja todas as novidades do Salão do Automóvel

Belini destacou que, no período após a adoção do IPI reduzido para automóveis, as vendas cresceram 31% e que, do ponto de vista do mercado, a prorrogação seria benéfica para a indústria automotiva brasileira. "O risco de não prorrogar é cair a média diária de vendas", afirmou, durante entrevista coletiva da Fiat, no 27º Salão Internacional do Automóvel de São Paulo. "Mas não vejo o governo reticente neste sentido."

Antes do IPI reduzido ser instituído - no final de maio deste ano -, a média diária de vendas, segundo Belini, era de 12.300 unidades. Depois do benefício, a média subiu para cerca de 16 mil vendas diárias no País. Ele, no entanto, afirmou que outros fatores são necessários para impulsionar o mercado de automóveis no Brasil, como o destravamento do crédito e a utilização do compulsório dos bancos para estimular o financiamento.

Leia ainda:  Novo regime automotivo faz GM ampliar investimentos

O vice-presidente da Anfavea e da Ford Brasil, Rogélio Golfarb, afirmou que a prorrogação ou não do benefício, que vai até dia 31 de outubro, vai depender do desempenho das vendas neste mês. "Está todo mundo esperando o resultado das vendas de outubro", disse. Segundo ele, o número de emplacamentos em setembro apresentou um resultado "decepcionante", ao recuar cerca de 30% ante agosto, mês que houve o recorde histórico do setor.

"Setembro foi decepcionante. A redução ficou acima do esperado", disse. Analistas do setor já esperavam uma queda das vendas em setembro, por conta da corrida do consumidor às concessionárias registrada em agosto, prazo inicialmente previsto para encerrar o benefício de redução do IPI.

Goldfarb afirmou que, apesar de o número de emplacamentos ter recuado 10,1% nesta primeira metade de outubro em relação ao mesmo período do mês passado, ainda não se pode prever ao certo qual será o desempenho deste mês. "No Brasil, as vendas se definem nos últimos dez dias."