Tamanho do texto

Além dos US$ 400 milhões já anunciados para a fábrica, após novo acordo automotivo empresa definiu que fará centro de pesquisa e desenvolvimento

Agência Estado

A montadora chinesa Chery irá ampliar os investimentos de US$ 400 milhões previstos para o Brasil, com a regulamentação do novo regime automotivo, confirmou nesta quinta-feira o CEO da companhia no País, Luís Curi. Segundo ele, além desse valor já anunciado para a construção da unidade fabril, em Jacareí (SP), a companhia definiu que irá fazer no País um centro de pesquisa e desenvolvimento.

Leia:  Chery cumprirá exigências do novo regime automotivo em fábrica em Jacareí

"Como o regime prevê benefícios adicionais (de redução de mais 3 pontos porcentuais no IPI) para as montadoras que investirem em um programa de pesquisa e desenvolvimento, isso ratificou o projeto que tínhamos de criar no País o nosso centro para a América Latina", disse Curi. Ele segue para a China no próximo mês para definir o valor dos investimentos e onde será construído o centro de pesquisas da companhia.

Saiba mais:  Governo publica decreto que regulamenta novo regime automotivo

Curi afirmou que a ampliação da pesquisa e desenvolvimento, bem como a obrigatoriedade de melhoria na eficiência energética dos veículos nacionais até 2017 "vão colocar Brasil no primeiro mundo do mercado automotivo" e tornarão o País um polo de exportação da Chery para outras nações, como Chile, Argentina, México e Venezuela.

O CEO da Chery considerou o ponto mais "difícil" do novo regime a necessidade de as montadoras do País atingirem um índice de nacionalização de 70% dos seus veículos. "Já temos mais de dez fornecedores locais homologados e capacitamos dezenas de outros", disse Curi.

A Chery deve iniciar a produção na fábrica na cidade paulista no segundo semestre de 2013, com três modelos, e pretende conquistar 3% do mercado nacional entre 2015 e 2016.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.