Tamanho do texto

Bancos Mizuho e Mitsubishi UFJ exigem mudanças drásticas na companhia, incluindo a venda de fábricase o fechamento do negócio de painéis solares na Europa e nos EUA

Os bancos Mizuho e Mitsubishi UFJ, os dois maiores credores da Sharp, aprovaram um resgate de 210 bilhões de ienes (R$ 5,5 bilhões), disseram fontes nesta quinta-feira, eliminando um grande obstáculo para a sobrevivência da fabricante de TVs.

Os dois bancos exigem mudanças drásticas na companhia, incluindo a venda de fábricas no exterior e o fechamento do negócio de painéis solares na Europa e nos Estados Unidos.

A Sharp prevê um prejuízo superior a 100 bilhões de ienes (R$ 2,62 bilhões) neste ano fiscal, segundo fontes, como resultado da concorrência com Samsung Eletronics e outras.

Antes do empréstimo de 210 bilhões de ienes (R$ 5,50 bilhões), a Sharp tinha conseguido uma linha de 150 bilhões de ienes (R$ 3,93 bilhões). A fabricante tem a pagar 360 bilhões de ienes em notas promissórias de curto prazo nos próximos meses.

Sharp, Mizuho e Mitsubishi UFJ se recusaram a comentar o assunto.