Tamanho do texto

Documento pedindo a manutenção dos 1840 empregos da GM na fábrica da empresa em São José dos Campos, SP, é protocolado

Agência Estado

Linha de montagem da GM
AE/ROBSON FERNANDJES
Linha de montagem da GM

Trabalhadores da General Motors, que participam da Caravana do Emprego em Brasília, estiveram nesta terça-feira (25) no Palácio do Planalto, onde se reuniram com o assessor do ministro-chefe da Secretaria-Geral, Delcimar Pires Martins.

Os trabalhadores, que vieram de São José dos Campos (SP), protocolaram documento pedindo a manutenção dos 1840 empregos da GM na fábrica da empresa que, segundo eles, estariam ameaçados de demissão, a partir do início de novembro.

O sindicato da categoria defende que a presidenta Dilma Rousseff assine uma medida provisória proibindo demissões em casos de empresas que façam importações, como é o caso da GM. Delcimar Martins informou aos trabalhadores que assim que o ministro da Secretaria-Geral, Gilberto Carvalho, retornar a Brasília, entrará em contato com eles, para marcar uma audiência para discutir a questão.

Dois ônibus com 86 trabalhadores levaram faixas e bandeiras para a frente do Palácio do Planalto. Uma delas diz: "Dilma, proíba as demissões na GM". Depois, os trabalhadores seguiram para o Ministério do Trabalho. Em Brasília, os trabalhadores fazem uma tentativa política, paralela às negociações, para que todos os 1840 empregos sejam preservados.