Tamanho do texto

Donos de US$ 450 milhões em bônus da AMR, em concordata desde dezembro, pediram mandato à Justiça para garantir reparos às aeronaves mais antigas

Reuters

Por Nick Brown

NOVA YORK, 19 Set (Reuters) - Detentores de US$ 450 milhões em bônus da America Airlines planejam pedir a um juiz nos Estados Unidos por um mandato para ajudar a garantir que sejam pagos, alegando que os 143 aviões utilizados como garantia para o investimento podem perder muito valor.

Leia:  Dona da American Airlines pede recuperação judicial

O agente dos credores, o U.S. Bank, deve defender na quinta-feira em uma audiência no tribunal de falências de Manhattan que a companhia aérea controlada pela AMR negligenciou suas aeronaves e não realizou diversos reparos necessários.

Eles temem que isso e outros custos podem derrubar o valor das aeronaves a níveis baixos demais para cobrir os bônus.

O valor "continuará a erodir como resultado dos custos para segurar, armazenar, transportar e vender as aeronaves", disse o U.S. Bank em documentos jurídicos.

A maior parte das aeronaves é composta de modelos antigos, incluindo Boeing 757s e MD-82s e MD-83s fabricados pela McDonnell Douglas. O próximo pagamento dos bônus deve ser realizado em 15 de outubro.

A AMR pediu concordata em novembro de 2011, e está abrindo mão das partes mais antigas de sua frota. A companhia disse que precisa poupar mais de US$ 1 bilhão em custos trabalhistas para retornar à lucratividade.

A companhia enviou avisos na terça-feira a mais de 11 mil funcionários, alertando a respeito de possíveis demissões como resultado de sua concordata.

O U.S. Bank busca incrementar as salvaguardas para os bônus sobre a legislação de concordata elaborada com o objetivo de proteger credores segurados de declínios no valor do colateral.

O U.S. Bank acredita que possa arrecadar apenas US$ 501 milhões  --incluindo US$ 40 milhões  de garantias anteriores em dinheiro, ao qual os credores buscam acesso-- se tomar e vender os aviões. Isso é pouco mais do que os US$ 491 milhões do principal e dos juros que os credores alegam que são devidos.

A AMR se opõe ao pedido, dizendo em um documento na corte que tem feito manutenção apropriada a seus aviões.