Tamanho do texto

Valor é quatro vezes superior ao que foi gasto nos últimos cinco anos e deverá ser gasto até 2014

Agência Estado

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) terá até US$ 800 milhões até 2014 para estudar 22 bacias sedimentares brasileiras e ampliar áreas exploratórias, hoje concentradas no Sul e no Sudeste. O valor é quatro vezes o que já foi gasto nos últimos cinco anos. O Plano Plurianual de Estudos Geológicos e Geofísicos (PPA) da ANP previu US$ 1 bilhão em recursos para o período de 2007 a 2014, mas apenas US$ 200 milhões foram empregados até agora. Os recursos vêm do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), segundo a superintendente de Definição de Blocos da ANP, Eliane Petersohn, que participa da Rio Oil & Gas.

A verba é gasta com estudos geológicos, mapas aéreos, sísmicas em 3D, perfurações e outras técnicas usadas para avaliar o potencial de uma área, de forma que ela seja valorizada durante a oferta em leilão. Com estudos como este, foi possível incluir na 10ª rodada de licitações (2008) bacias como as de São Francisco, Paraná e Parnaíba. Na de São Francisco, Eliane diz que já há doze notificações de descobertas de hidrocarbonetos por empresas como Shell, Petra, Orteng, Cisco e Imetame. Na de Parnaíba, foram ofertados campos como os de Gavião Azul e Gavião Real, onde a OGX deve começar a produção de gás nos próximos meses.