Tamanho do texto

Maior consumidora de energia no país, mineradora aprova redução a partir do corte de tributos anunciada pela presidenta Dilma Rousseff

A redução de 19% a 28% da tarifa de energia para o setor industrial anunciada nesta terça-feira (11) pela presidenta Dilma Rousseff foi comemorada pela Vale. “É uma medida positiva, apesar da manutenção da CDE [Conta de Desenvolvimento Energético, que será reduzida em 25% do valor atual]”, avalia o diretor global de energia da mineradora, João Coral.

Leia mais: Governo fará aporte de R$ 3,3 bilhões para compensar energia mais barata

Em contas preliminares, o executivo indicou que o impacto direto sobre o custo da energia pode atingir R$ 15 por megawatt/hora consumido por grandes compradores. “A redução deve dar uns R$ 15 sobre o MW-hora para a indústria”, afirma ao iG.

A mineradora é a maior consumidora de energia do país, com 1,2 mil MW-médios por ano . O suficiente para abastecer 4,38 milhões de residências com 200 MW-hora mensais por 12 meses – cerca de 70% dos lares da Grande São Paulo.

A redução da energia é parte da estratégia da companhia para ampliar margens de lucro com menor custo dos produtos vendidos (CPV), que somente em energia consumiu R$ 9,52 bilhões em eletricidade nos últimos cinco anos, conforme dados de balanços financeiros da empresa.

A exclusão do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa) do pacote energético, contudo, foi lamentado por Coral. O programa foi criado para estimular principalmente o desenvolvimento de fontes solar e eólica, que a Vale começa a incluir em sua matriz energética “Faltou colocar o Proinfa”, diz.