Tamanho do texto

Conflito trabalhista acontece em momento crítico para a companhia aérea, que precisa cortar despesas para fazer frente às companhias de baixo custo e à alta dos combustíveis

EFE

Berlim, 8 set (EFE).- A companhia aérea alemã Lufthansa, a maior da Europa, espera normalizar neste sábado seu tráfego aéreo após o fim da maior greve de sua história, realizada durante esta sexta-feira pelos 18 mil tripulantes de cabine da empresa. "Contamos com que já não tenhamos problemas nos grandes aeroportos de Frankfurt e Munique", afirmou um porta-voz da Lufthansa.

Leia também:  Funcionários da Lufthansa encerram greve e optam por arbitragem

Sindicado UFO se comprometeu a manter as operações, enquanto negociações acontecem
AP
Sindicado UFO se comprometeu a manter as operações, enquanto negociações acontecem

Já antes do fim da greve, a direção da empresa e o sindicato do setor, Ufo, se sentaram para conversar e decidiram pela inclusão de um mediador nas negociações. Os representantes sindicais anunciaram que não convocariam novas paralisações enquanto durarem as negociações. Já os representantes da empresa comunicaram que não contratarão pessoal externo para trabalhos de cabine em sua base de Berlim, uma das exigências do Ufo para chegar a um acordo entre as partes.

A Lufthansa cancelou ontem 983 dos 1.781 voos programados e ofereceu aos passageiros afetados a possibilidade de viajar em trem, em caso de trajetos nacionais, ou em companhias da concorrência, como a Air Berlim, a segunda maior do país. O conflito trabalhista acontece em um momento crítico para a companhia aérea, que precisa cortar despesas para fazer frente à concorrência das companhias de baixo custo e à alta de preços dos combustíveis. EFE jcb/rsd