Tamanho do texto

Investigação constatou horas excessivas e condições exaustivas de trabalho, tratamento desumano dos funcionários e abuso de trabalhadores menores de idade

Agência Estado

A China Labor Watch, grupo trabalhista com sede em Nova York, divulgou um relatório em que acusa a gigante de eletrônicos sul-coreana Samsung de obrigar os funcionários de suas fábricas chinesas a fazerem hora extra excessiva, além de desrespeitar direitos básicos dos trabalhadores.

O relatório surge num momento em que os fabricantes lidam com a alta do custo da mão de obra e exigências cada vez maiores dos trabalhadores na China, fatores que pressionam grandes corporações como a Samsung e a Apple, que procuram expandir suas operações no país.

Recentemente, a Apple e um de seus principais fornecedores, a Hon Hai Precision Industry Co., aceitaram reduzir a carga horária dos funcionários e alterar outras políticas nas fábricas chinesas da Hon Hai, em resposta a uma auditoria conduzida nas instalações pela Fair Labor Association. A China Labor Watch, uma organização sem fins lucrativos que investiga as condições dos trabalhadores no setor exportador da China, diz no relatório que examinou, entre maio e agosto, oito fábricas da Samsung no país, duas das quais são operadas diretamente pelo conglomerado sul-coreano e duas outras administradas por fornecedores.

A investigação constatou horas excessivas e condições exaustivas de trabalho, tratamento desumano dos funcionários e abuso de trabalhadores menores de idade, entre outras ofensas. Um porta-voz da Samsung, James Chung, admitiu que alguns trabalhadores fazem hora extra, mas rejeitou as outras acusações.

"Concordamos parcialmente com o relatório que, às vezes, os trabalhadores precisam fazer hora extra em algumas fábricas, principalmente quando lançamos novos produtos ou construímos novas linhas de produção", disse Chung. "Vamos fazer uma avaliação sobre práticas trabalhistas em todas as fábricas."

No começo da semana, a Samsung tinha anunciado que estava inspecionando todas as suas instalações na China para verificar o cumprimento de políticas trabalhistas. Na Bolsa de Seul, as ações da Samsung fecharam em queda de 2,38% nesta quarta-feira.

As informações são da Dow Jones. (Sergio Caldas - sergio.caldas@estadao.com)