Tamanho do texto

Presidente da mineradora, Jayme Nicolato, diz ter plano estratégico de “coisas concretas” e usa de cautela para traçar meta de produção de 15 milhões de toneladas em Minas

Ferrous prevê elevar o volume de produção para 42 de milhões de toneladas de minério em 2025
Divulgação
Ferrous prevê elevar o volume de produção para 42 de milhões de toneladas de minério em 2025

A mineradora de origem inglesa Ferrous Resources anunciou nesta quinta-feira (27) uma reestruturação em seu projeto de minério de ferro para a região do Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais. Estimado incialmente em US$ 5 bilhões para produzir 40 milhões de toneladas do insumo do aço até 2015, a companhia reportou hoje aporte de US$ 1,2 bilhão na mina Viga, em Congonhas. A meta é atingir produção anual 15 milhões de toneladas de minério em três anos. “Parte dos recursos vai vir dos acionistas, parte de dívidas [financiamentos] e da geração de receita”, diz o presidente Jayme Nicolato.

Segundo ele, a companhia tem atualmente US$ 200 milhões em caixa. O montante é parte dos US$ 1,2 bilhão levantados por investidores ingleses quando da criação da mineradora em 2007. A Ferrous já investiu US$ 1 bilhão na operação em quatro minas, com a quais pretende atingir volume de 3 milhões de toneladas comercializadas neste ano com aporte adicional de US$ 50 milhões - a venda dessa pilha de minério deve gerar US$ 300 milhões de receita. A geração própria é o que deve pagar parte do investimento previsto até 2015. Para isso, a empresa projeta produzir 5 milhões de toneladas a partir de 2013. “Com esse volume, a geração de caixa [anual] será de US$ 560 milhões”, diz Nicolato.

A provisão própria será o combustível do aporte bilionário previsto para explorar Viga, cuja reserva comercializável é de 1,5 bilhão de toneladas de minério. O presidente da mineradora afirma que a capitalização a partir de repasse dos controladores e autogerarão de caixa dão segurança para não procurar um parceiro estratégico até 2015. Ele também descarta a abertura de capital (IPO, na sigla em inglês), ensaiada em três oportunidades (2007, 2008 e 2010). “Hoje, não precisamos pensar nessa possibilidade [IPO]”, afirma. “O IPO está descartado? Diria que não. Mas vai depender dos acionistas”, diz.

O discurso moderado de Nicolato, ex-Vale e CSN, é parte da reformulação da estratégia e do plano de negócios da Ferrous depois bastante burburinho gerado pela administração anterior. No cargo há três, após ter deixado a CSN, o executivo se mostra com os pés no chão sobre a realidade do mercado e as dificuldades de implantar projetos saídos do zero. “O plano de negócios é baseado em coisas concretas, em entrega”, diz. “Tudo nesse mercado é uma questão de confiança. Todas as empresas no Brasil estão passando pela desconfiança de entrega dos empreendimentos”, avalia.

Investimento total pode ir a US$ 3,3 bi

A Ferrous prevê elevar o volume de produção para 42 de milhões de toneladas de minério com 62,5% de teor de ferro em 2025, mas deixou de lado as projeções bilionárias de investimentos. Isto porque, os levantamentos de capital ensaiados com o IPO não encontraram no mercado ressonância no mesmo grau das expectativas da companhia. Por isso, o novo presidente da mineradora é mais cauteloso em comentar números futuros para evitar a desconfiança em relação à exploração de outras quatro reservas em Minas e na Bahia, cujo potencial explorável total é de 5 bilhões de toneladas. “Só vamos levantar capital para novos projetos quando estiver tudo na mão: todas as LI [licenças de instalação], estudos econômicos e de viabilidade [de engenharia e comercial]. Essa é a principal mudança na estratégia da Ferrous”, indica.

Apesar da postura cautelosa, Nicolato aponta que os novos aportes em cifras consistentes podem ser realizados a partir de 2015. Segundo ele, o custo de implantação por tonelada em Viga será de US$ 80. “Esse capex [investimento] deve se manter”, diz.

Se a margem de investimento por tonelada de mantiver, para atingir as 27 milhões de toneladas restantes serão necessários US$ 2,16 bilhões. Com isso, para atingir as 42 milhões de toneladas a empresa precisaria desembolsar no total US$ 3,36 bilhões.

O montante não inclui a construção de um porto em Anchieta, no litoral do Espírito Santo, nem a construção de um minerioduto levando a matéria-prima de Minas Gerais para o terminal logístico capixaba. Ambos os projetos voltam para a prancheta até segunda ordem. Por ora, para escoar as 15 milhões de toneladas previstas a Ferrous irá usar a malha ferroviária da MRS Logística. Em cada uma das quatro reservas em Minas, a empresa irá construir terminais pátios para empilhar o minério e fazer o transbordo para os vagões da MRS. Em viga, o pátio tem capacidade para operar 18 milhões de toneladas por ano.

Tonelada a US$ 105

A aposta da Ferrous é de que até 2015, o preço FOB da tonelada de minério de ferro produzido no Brasil chegue à China por US$ 105. A projeção, abaixo da média atual da cotação da commodity de US$ 140, é o cenário no qual a mineradora trabalha para operar com margem folgada de lucro. “A gente acredita que o preço no longo prazo, até 2020, irá se manter em US$ 105 por tonelada. Esse preço vai sustentar a expansão [de projetos de mineração] no Brasil”, afirma.

Após 2020, contudo, o horizonte ainda é turvo. O executivo, com mais de 20 anos de experiência em mineração, passando por diretoria da Vale e responsável por desenhar o modelo minerador da CSN, vê em países do oeste da África uma ameaça ao posto ocupado pelo Brasil de segundo maior produtor de minério de ferro. “Sou de uma época em que a produção da empresa que eu trabalhava [a Vale dos anos 1990] produzia mais do que a Austrália”, recorda.

As anglo-australianas BHP Billinton e Rio Tinto bateram em volume a produção brasileira. Segundo Nicolato, para 2015 a produção de ferro na Austrália atingirá 690 milhões de toneladas, enquanto a brasileira deverá atingir 444 milhões. “O Brasil perdeu a corrida do aço, mas pode ganhar a do minério de ferro. Para isso, precisamos correr porque além da Austrália aumentando a produção ainda tem o oeste africano. A África vai vir, já está vindo. Ela será uma grande competidora do Brasil”, avalia.

A previsão toma como base o fato, segundo ele, de a China consumir hoje 1,2 bilhão de toneladas de minério ante a produção de apenas 400 milhões, em geral com teor de ferro muito baixo. Símbolo do desenvolvimento nos padrões do tempo que consumo sustentável não era jargão, o aço é um dos principais pilares do urbanismo. Não à toa, o consumo atual chinês de aço é de 1,4 bilhão de toneladas, atingido em 2011. “Para completar a demanda, os chineses usam produção própria com custo muito alto. Tem empresa produzindo a US$ 160 a tonelada de concentrado de ferro”, diz.

A competição com países africanos como Guiné, onde a Vale pretende desenvolver projeto para aproveitar a reincidência de corpo mineral similar ao da mina de Carajás, no Pará, a maior a céu aberto do globo, mantém a Ferrous confiante no cenário futuro de lucro.

Embora não revele o valor do custo atual de produção, o que pode afetar as negociações de venda, Nicolato diz que “até US$ 50” o valor da tonelada vendida à China ainda é competitiva para a mineradora.

*O jornalista viajou a convite da empresa


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.