Tamanho do texto

Após formar a joint-venture BPC Electrification com a montadora francesa, BMW diz que condições mudam com a compra de 7% da Peugeot pela GM

Reuters

A PSA Peugeot Citroën disse nesta quinta-feira que está analisando o impacto da aliança com a General Motors sobre o projeto da montadora francesa a BMW para fabricar carros híbridos.

O jornal La Tribune noticiou que a BMW queria comprar parte ou toda a participação da Peugeot na joint-venture, a BPC Electrification, porque não tinha gostado da recente aliança da francesa com a GM e estava preocupada com a estabilidade financeira da Peugeot.

Veja também: 

BMW ameaça desistir de plano de fábrica no Brasil

Nós estamos examinando o impacto de nossa aliança com a GM sobre a joint-venture. (...) Não está claro se a aliança muda as condições de nossa parceria", declarou à Reuters um porta-voz da Peugeot.

A BMW afirmou que as condições da aliança mudaram desde que a GM se tornou a segunda maior acionista da Peugeot com 7% de participação, mas ressaltou que ainda manteria a joint-venture.

O mesmo jornal publicou na véspera que a família Peugeot queria a substituição do presidente-executivo Philippe Varin por causa da queda nas vendas e da aliança com a GM.

O presidente-executivo da BMW, Norbert Reithofer, havia dito em um encontro anual de acionistas em maio que a aliança entre a Peugeot e a GM não afetaria a parceria com a montadora francesa.

(Por Benjamin Mallet e Irene Preisinger)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.