Tamanho do texto

Cooperativa de mineiros rejeitou estatização, decretou bloqueio de estradas e diz que ocorrerá um "conflito nacional" caso nacionalização seja efetivada

La Paz, 10 jun (EFE).- O Governo do presidente Evo Morales nacionalizará a mineradora Colquiri, instalada no ocidente da Bolívia e pertencente a uma filial da empresa suíça Glencore, informou neste domingo o ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana.

Leia também:  Bolívia nacionaliza fatia de subsidiária da British Petroleum

Quintana disse aos meios de comunicação estatais que a decisão foi tomada em uma reunião com os sindicatos de mineiros nacionais e do povo de Colquiri, no departamento de La Paz, embora não anunciou quando a medida será concretizada.

A Glencore opera na Bolívia diversas minas por meio da filial Sinchi Wayra, que controla a companhia Colquiri para a exploração de zinco e estanho em uma mina com cerca de 400 operários. Em 2007 e 2010, Morales também expropriou duas empresas de fundição de metais da Glencore, que levou os casos à Justiça.

Saiba mais:  Bolívia nacionaliza companhias elétricas

Quintana ressaltou ainda que a decisão de nacionalização não incluirá as áreas aprovadas na mesma região à Cooperativa 26 de Fevereiro, embora tenha dito que se a maioria dos cooperativistas solicitarem, o Governo pode assumir o controle de suas operações.

No entanto, os dirigentes da Federação Nacional de Cooperativas de Mineiros, grupo influente no Governo e com grande capacidade de mobilização, rejeitaram a nacionalização e advertiram que responderão com um bloqueio das estradas.

O líder da federação, Albino García, disse à imprensa que ocorrerá "um conflito nacional". Desde que chegou ao poder, o presidente boliviano nacionalizou várias companhias em diversos setores, como os de hidrocarbonetos, eletricidade, telecomunicações, mineração e cimento. EFE ja/cl

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.