Tamanho do texto

CBTD, responsável pelo arrendamento e administração da marca, vai terceirizar a fabricação dos produtos

Telefone móvel da Gradiente é exibido durante relançamento de produtos da marca
Nilton Fukuda/AE
Telefone móvel da Gradiente é exibido durante relançamento de produtos da marca
A Companhia Brasileira de Tecnologia Digital (CBTD), responsável pelo arrendamento e administração da marca Gradiente, relança nesta quarta-feira produtos nas linhas de entretenimento, além de telefonia móvel e dois modelos de tablet, um deles para o público infantil. O preço do tablet será de RS 999,00. O celular a ser lançado terá como público-alvo famílias, pois inclui uma tecla de SOS para chamadas de urgência e rastreador GPS para localizar crianças, idosos e adolescentes.

Leia também: Gradiente está mais próximo de voltar ao mercado

A empresa não vai produzir os itens, mas terceirizá-los com parceiros. Segundo o presidente da CBTD, Fabio Vianna, a meta é lançar 20 produtos até o final do ano. Os produtos da marca serão comercializados por meio de um site na internet da Gradiente e em redes varejistas. A operação de e-commerce começou na segunda-feira com os tablets e aparelho de Blue-Ray. "O e-commerce deve largar na frente, até que o varejo comece a vender os produtos a partir de junho. Já estamos em negociação com as grandes redes", afirmou Vianna, completando que "o grande varejo necessita de volume e condições comerciais mais difíceis".

A meta da companhia para este Natal é vender 50% no varejo físico e 50% na internet. A CBTD não informou, porém, projeção de faturamento e volume. "O objetivo não será ganhar fatia de mercado, mas sim focar em poucas marcas para obter rentabilidade e remunerar os acionistas", completou o executivo. O foco da empresa será atingir a classe média.

Tablet Gradiente custará R$ 999
Nilton Fukuda/AE
Tablet Gradiente custará R$ 999
Foram investidos R$ 68 milhões para a criação da empresa, a CBTD, no final do primeiro semestre de 2011. O valor se refere ao aporte de quatro investidores: Agência de Fomento do Estado do Amazonas, o grupo americano Jabil e os fundos Petros e Funcef. Eles detêm em conjunto 60% das ações da empresa, no Fundo de Investimento em Participações (FIP) Enseada. Os 40% restantes estão com a família Staub e acionistas minoritários. Vianna afirmou que os resultados da CBTD vão ainda para pagar o arrendamento da marca Gradiente, cujo contrato é de R$ 389 milhões.

O executivo não fez comentários sobre a estratégia da companhia para bolsa de valores. No dia 09, a HAG, acionista da CBTD, anunciou que apresentará à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) pedido de registro de oferta pública de ações, dirigida aos minoritários da IGB Eletrônica, empresa ligada à Gradiente no processo de reestruturação. Após a OPA, será cancelado o registro de companhia aberta da IGB.