Tamanho do texto

SÃO PAULO - Diante dos sinais de que o real seguirá valorizado por um bom tempo - prejudicando a competitividade das companhias instaladas no Brasil -, multinacionais alemãs passaram a reavaliar seus investimentos no país e a palavra "desindustrialização" começou a ganhar força nos círculos de executivos do país europeu, disse hoje o presidente da Câmara Brasil-Alemanha, Weber Porto

. Segundo ele, o Brasil ainda é foco dos interesses, mas as empresas alemãs passaram a repensar se o país, realmente, é a melhor alternativa de investimento, dado o aumento do custo de capital e os abalos sentidos na competitividade com a valorização do real. "É uma preocupação que temos agora", afirmou Weber Porto, durante evento na capital paulista que teve a participação do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge. Na avaliação do presidente da entidade alemã, a pressão altista sobre a moeda brasileira seguirá forte, ante a tendência de excesso de fluxo de divisas em direção às economias emergentes. Somando-se a isso, o país ainda precisará resolver seus problemas relacionados à infraestrutura para não perder investimentos a mercados na Ásia, América Latina e Europa Oriental, disse. No entanto, durante sua participação no evento, Miguel Jorge discordou da visão de que o Brasil passa por um processo de desindustrialização. Por outro lado, o ministro reconheceu a necessidade de ações destinadas a evitar uma valorização mais expressiva do real. Além disso, o chefe da pasta de Desenvolvimento apontou que o melhora da competitividade brasileira passa pela desoneração do investimento produtivo, a qualificação da mão de obra e a manutenção de programas do governo em infraestrutura, como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Miguel Jorge também afirmou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve manter seu papel como principal fonte de financiamento de longo prazo, mas defendeu que será preciso ampliar a participação dos bancos privados no crédito a investimentos. (Eduardo Laguna | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.