Tamanho do texto

Empresa diz que usou pele de coelho certificada na coleção de inverno. Colcci também divulgou nota avisando que retirou bolsa

Depois da Arezzo , agora é a vez da Le Lis Blanc. Não bastasse o incêndio na madrugada desta sexta-feira em um dos centros de distribuição da empresa em São Paulo, a companhia de vestuário feminino hoje está na lista dos principais assuntos do Twitter por usar pele de coelho em sua coleção.

Loja da Le Lis Blanc na Rua Oscar Freire, em São Paulo
Le Lis Blanc
Loja da Le Lis Blanc na Rua Oscar Freire, em São Paulo
Dos dez principais “trends” da rede social, o #lelisblood (Le Lis sangue) era o quarto colocado. Também a exemplo da empresa de sapatos e bolsas, os usuários acusam a empresa de matar animais indefesos, entre outros comentários. A Le Lis ainda está sendo acusada de apagar comentários desfavoráveis no Facebook.

Em sua página na rede, a empresa postou um comunicado oficial, com data de 30 de abril. Nele, diz que, em sua coleção de inverno, usou pele de coelho certificada pelo Ibama em algumas de suas peças. “Ressaltamos que esta pele de coelho é legalmente comercializada no Brasil e é oriunda de frigoríficos que vendem a carne para fins alimentícios. A Le Lis Blanc é totalmente contra o tráfico, criação e o sacrifício de animais silvestres”, afirma na nota.

A companhia afirma ainda que um de seus principais valores é o respeito ao meio ambiente e que respeita e aceita as opiniões diversas sobre o assunto em questão, apostando no diálogo como a melhor forma de manter uma relação transparente com os clientes. Ao final diz que se reserva no direito de retirar imediatamente da sua página do Facebook comentários considerados impróprios ou ofensivos, que promovam a violência e a agressão verbal entre os seguidores.

Após a postagem, 141 pessoas “curtiram” a posição da empresa. O post indicava 265 comentários, mas apenas dois podiam ser vistos. Um classifica a empresa como desumana, e o outro pergunta: “É assim que vocês são abertos ao diálogo?”.

Em sua página na internet, a empresa informa que sua loja online está temporariamente fora do ar, bem como o atendimento por meio do chat. Não há informações sobre a retirada dos produtos com pele de coelho, mas o casaco de pele da coleção “Caramel” não aparece mais entre os produtos oferecidos. O iG vem tentando contato com a empresa ao longo deste sábado, mas os telefones estão todos ocupados.

Colcci

Outra empresa que enfrentou protestos recentemente foi a Colcci. A companhia também postou um comunicado oficial no Facebook, mas não apagou os comentários dos seguidores. No dia 27 de abril, a companhia disse que utiliza em suas coleções peles sintéticas e que, nos lançamentos do inverno 2011, “há apenas uma bolsa de pele de coelho, que possui todos os certificados ambientais necessários”.

A empresa afirma que a pele usada é considera resíduo, e é comprada de um frigorífico que comercializa a carne deste animal para consumo humano. Sendo assim, os animais não foram sacrificados para o uso das peles. “Mesmo assim a marca não pretende utilizar peles verdadeiras em suas futuras coleções e se compromete em retirar este modelo de bolsa do mercado”, completa.

Saiba mais:

Arezzo recolhe peças com pele de animais após polêmica no Twitter

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.