Tamanho do texto

José Efromovich, dono das duas empresas aéreas, disse que estratégia caminha para fusão das companhias, mas união não será em 2011

A incorporação da Avianca Brasil na operação da companhia aérea colombiana homônima é uma questão de tempo, afirma o presidente da Avianca Brasil, José Efromovich. As duas empresas pertencem ao mesmo dono, o grupo Sinergy, dos irmãos German e José Efromovich, mas funcionam separadamente.

“A inclusão da empresa brasileira no grupo Avianca-Taca é uma decisão óbvia”, diz o empresário. A operação não esbarraria na legislação do setor aéreo, que limite o capital estrangeiro nas companhias, já que os irmãos Efromovich são bolivianos naturalizados brasileiros.

José Efromovich, presidente da Avianca: atuação no aeroporto de Congonhas como trunfo para ganhar mercado no País
Greg Salibian/iG
José Efromovich, presidente da Avianca: atuação no aeroporto de Congonhas como trunfo para ganhar mercado no País
Segundo ele, a união ainda não se concretizou porque a Avianca colombiana está em fase de conclusão da fusão com a Taca, uma empresa aérea de El Salvador. Com uma frota de 160 aviões, a Avianca-Taca atende mais de cem destinos. O faturamento da empresa atingiu US$ 3 bilhões em 2010, um valor equivalente a R$ 4,76 bilhões na cotação atual.

No Brasil, a Avianca é quinta companhia aérea em participação de mercado, com 2,6% dos voos domésticos. A empresa pretende investir R$ 2,4 bilhões no Brasil até 2016, principalmente na aquisição de aeronaves. Hoje, a companhia possui 19 aviões, mas deve receber mais três até agosto. O faturamento não é divulgado.

A união das duas Aviancas segue a tendência mundial de formação de grandes grupos no setor aéreo. Na América Latina, a chilena LAN e a brasileira TAM deram um passo à frente nesta estratégia e acertaram uma fusão.

Efromovich diz que não pensa em novas aquisições no momento, mas que não descartaria novos negócios no futuro. Questionado se teria interesse em participar da privatização da TAP, ele se diz indeciso. “Se você me perguntasse isso há um ano eu diria que não. Hoje, eu digo que não sei. Mas se fosse ano que vem eu provavelmente diria que sim”, afirma o empresário. Vender a Avianca também não está nos planos, diz.

Novos destinos

A Avianca Brasil anunciou nesta quarta-feira que iniciará voos para mais três cidades: Ilhéus, João Pessoa e Natal. Com essas rotas, a companhia passa a voar para 23 cidades.

A empresa estuda novas parcerias comerciais para potencializar os negócios do seu programa de fidelidade. Para isso, acaba de contratar o executivo Tarcísio Gargioni para o cargo de vice-presidente comercial e marketing. Ele já atuou na Gol e na Vasp.

Leia mais sobre aviação:

Dono diz que Webjet está aberta a propostas

Tráfego aéreo cresce 31% em abril e TAM reforça liderança

TAM admite atraso na fusão com a LAN por entraves no Chile

À venda, TAP é estrangeira que voa para mais cidades brasileiras

IAG estuda a compra da TAP, visando sua presença no Brasil

Mesmo com crescimento recorde, companhias aéreas demitem

Venda de aeronaves somará 31 mil unidades e R$ 5,6 tri até 2029

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.