Tamanho do texto

O bilionário mexicano Carlos Slim afirmou que não está conversando com acionistas e nem com a diretoria da Portugal Telecom (PT) para entrar na empresa. Hoje, o jornal português Diário Econômico noticiou, com base em informações de fontes, que Slim estuda comprar uma participação na PT para impedir a oferta da espanhola Telefónica pela fatia que a portuguesa tem na Vivo.

O bilionário mexicano Carlos Slim afirmou que não está conversando com acionistas e nem com a diretoria da Portugal Telecom (PT) para entrar na empresa. Hoje, o jornal português Diário Econômico noticiou, com base em informações de fontes, que Slim estuda comprar uma participação na PT para impedir a oferta da espanhola Telefónica pela fatia que a portuguesa tem na Vivo. "Nós não estamos conversando com ninguém. Não existem conversas com a Portugal Telecom. Não existe nenhum interesse em assumir uma participação relevante na empresa", disse Arturo Elias Ayub, porta-voz de Slim, em entrevista por telefone. Ayub afirmou ainda que Slim não está tentando bloquear o acordo da Telefónica. O empresário mexicano possui menos de 5% da Portugal Telecom. O jornal português Diário Econômico noticiou que Slim estaria conversando com o Banco Espírito Santo, um dos acionistas mais importantes da Portugal Telecom, sobre como bloquear a oferta de 5,7 bilhões de euros que a Telefónica fez pela participação da PT na Vivo Participações SA. A Telefónica, que divide com a PT o controle da Vivo, quer comprar a participação dos portugueses na empresa e assumir o controle da operadora. Com isso, atuaria no Brasil com a Telesp, de telefonia fixa, e a Vivo, de telefonia celular. Concretizada a compra, as sinergias entre as duas empresas seria de 2,8 bilhões de euros, conforme anunciou recentemente o diretor financeiro da Telefónica, Santiago Fernández Valbuena, em teleconferência. A Portugal Telecom tem recusado a oferta da Telefónica, dizendo que a Vivo é um ativo estratégico para a empresa. Disputa na AL Slim e a espanhola Telefónica são arquirrivais na América Latina, onde competem diretamente em telefonia fixa e móvel na maioria dos países. A América Móvil, controlada por Slim, é a maior operadora de telefonia celular da região. No fim de março, a empresa tinha pouco mais de 206 milhões de clientes de telefonia móvel em 17 países da América. Slim também controla a maior empresa de telefonia fixa do México, a Teléfonos de México SAB, e a operadora de telefonia fixa Telmex Internacional SAB, a Telint. Em 11 de maio, a América Móvil lançou ofertas de aquisição em dinheiro e ações pela Carso Global Telecom SAB e pela Telint, como parte do plano de Slim de consolidar seus diferentes ativos de telecomunicações, em um acordo de quase 300 bilhões de pesos mexicanos (US$ 23 bilhões). Se a oferta for bem sucedida, a América Móvil vai ter controle total da Telint e também uma participação de 59,4% na Teléfonos de México SAB, tornando-se uma das maiores fornecedoras de serviços de telecomunicações do mundo, com mais de 250 milhões de clientes nas Américas. As informações são da Dow Jones.